Future of Money

De olho em economias em crise, Ripio é mais uma a lançar stablecoin de dólar

Empresa que lançou recentemente o “blockchain da América Latina” quer usar cripto para oferecer dolarização a investidores

 (Reprodução/Reprodução)

(Reprodução/Reprodução)

Mariana Maria Silva
Mariana Maria Silva

Repórter do Future of Money

Publicado em 8 de agosto de 2023 às 14h26.

A Ripio anunciou recentemente o lançamento da Criptodólar UXD, sua stablecoin própria lastreada em dólar. A intenção da empresa, que é mais uma a apostar neste mercado, é promover os benefícios da dolarização para a população da América Latina.

Classificadas como criptomoedas de valor estável que acompanham o preço de determinado ativo, como o dólar norte-americano, as stablecoins se tornaram uma verdadeira febre mundial. Suas facilidades atraíram grandes empresas. Além da Ripio, empresa do setor cripto com grande foco na América Latina, PayPal e BTG Pactual também anunciaram as suas stablecoins.

  • O JEITO FÁCIL E SEGURO DE INVESTIR EM CRYPTO. Na Mynt você negocia em poucos cliques e com a segurança de uma empresa BTG Pactual. Compre as maiores cryptos do mundo em minutos direto pelo app. Clique aqui para abrir sua conta gratuita.

Uma das principais vantagens das stablecoins é a facilidade para entrar e sair do mercado cripto, além da estabilidade no preço em comparação com a alta volatilidade de outras criptomoedas. Pensando nas stablecoins lastreadas em dólar, elas ainda oferecem as vantagens da própria exposição à moeda, que é a mais forte do mundo atualmente, sem a necessidade de trocar dinheiro em casas de câmbio ou enfrentar as altas taxas de investir em fundos cambiais e outras opções oferecidas pelo mercado tradicional, por exemplo.

Atualmente, a Tether USDt (USDT) é a maior stablecoin do mundo, com US$ 83,8 bilhões em valor de mercado. A cripto só perde para o bitcoin e ether entre as maiores do mundo, de acordo com dados do CoinMarketCap.

Dólar como proteção

Considerando o contexto econômico atual na América Latina, as stablecoins lastreadas em dólar se tornaram uma opção importante para o investidor que busca na moeda norte-americana uma proteção de seu patrimônio. Para além da UXD, essa narrativa também apoia o lançamento de outras stablecoins na região, como o BTG Dol, do BTG Pactual, maior banco de investimentos da América Latina e primeiro a lançar uma stablecoin.

A instabilidade econômica, baixos níveis de acesso bancário e a desvalorização das moedas dos países da América Latina foram citadas pela Ripio para justificar o interesse da empresa no lançamento de uma stablecoin lastreada em dólar. Segundo a empresa, isso gerou um “terreno fértil” para o desenvolvimento de ferramentas e soluções tecnológicas que podem colocar a região em destaque no cenário cripto global.

De acordo com a Ripio em um comunicado, a UXD foi idealizada “por latinos e para latinos” e funcionará na La Chain, o blockchain criado pela Ripio e um consórcio de empresas com foco no investidor latinoamericano e suas necessidades.

“Criamos o Criptodólar (UXD) como uma solução inovadora para que as pessoas possam proteger seus ativos diante dessa complexa situação econômica que estamos vivendo em toda a América Latina. O Criptodólar conta com todo o potencial da tecnologia blockchain, garantindo transferências rápidas e confiáveis ", disse Sebastián Serrano, CEO e cofundador da Ripio.

O JEITO FÁCIL E SEGURO DE INVESTIR EM CRYPTO. Na Mynt você negocia em poucos cliques e com a segurança de uma empresa BTG Pactual. Compre as maiores cryptos do mundo em minutos direto pelo app. Clique aqui para abrir sua conta gratuita.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube Telegram | Tik Tok

Acompanhe tudo sobre:CriptomoedasCriptoativos

Mais de Future of Money

Segurança, nuvem e IA generativa de mãos dadas no mercado financeiro

Ciclo de alta das criptomoedas chega à segunda fase: o que esperar?

Bancos gastam 25 vezes mais que fintechs com segurança digital, mas perdem 5 vezes mais em fraudes

Criptomoedas não são afetadas por apagão cibernético e usuários elogiam blockchain

Mais na Exame