Future of Money

Venezuela proíbe mineração de bitcoin para "proteger" rede elétrica

Autoridades do país afirmaram que atividades de mineração têm alto consumo energético, prejudicando fornecimento para a população

Países têm proibido mineração de bitcoin (Foto/Reprodução)

Países têm proibido mineração de bitcoin (Foto/Reprodução)

Cointelegraph
Cointelegraph

Agência de notícias

Publicado em 20 de maio de 2024 às 10h32.

O governo da Venezuela anunciou nesta semana que decidiu proibir a mineração de bitcoin e outras criptomoedas no país, se juntando à lista de nações que decidiram impedir a prática. No caso venezuelano, a justificativa foi a necessidade de "proteger" a rede elétrica do país, que estaria sendo ameaçada por diversas operações de mineradores.

De acordo com um meio de comunicação local, o Ministério de Energia Elétrica da Venezuela revelou planos para desconectar as fazendas de mineração de criptomoedas da rede nacional de energia do país. A medida tem como objetivo regular o consumo excessivo de energia e garantir um fornecimento estável de energia para a população, segundo o governo.

Em uma publicação no X, antigo Twitter, a Associação Nacional de Criptomoedas da Venezuela afirmou que a mineração de bitcoin e outras criptos está proibida na Venezuela. Recentemente, o governo do país também confiscou 2 mil dispositivos de mineração em uma cidade do país como parte de uma "iniciativa anticorrupção".

O ministério enfatizou a necessidade de oferecer serviços eléctricos eficientes e viáveis ​​em toda a Venezuela, o que exigiria um esforço para combater atividades com "elevado consumo de energia". Segundo os responsáveis, estas medidas são essenciais para estabilizar o fornecimento de energia nacional, que tem tido problemas na última década.

O país tem registado apagões recorrentes, especialmente desde 2019, que tiveram um impacto significativo na vida cotidiana dos residentes e na atividade econômica em geral. A mineração de bitcoin e outras criptomoedas envolve uma demanda elevada por energia, o que resultou em problemas para a atividade em outros países. A China, por exemplo, também proíbe a prática no país, e o Paraguai estuda uma possível proibição.

Venezuela e criptomoedas

A ação do governo da Venezuela contra a mineração de criptomoedas também faz parte de uma campanha anticorrupção mais ampla, que levou à prisão de vários altos funcionários. Joselit Ramírez, ex-chefe da Superintendência Nacional de Criptoativos, é uma figura chave nas denúncias de corrupção.

Em março de 2023, o fornecedor de energia da Venezuela chegou a fechar instalações de mineração de criptomoedas em todo o país como parte de investigações de corrupção envolvendo a empresa petrolífera estatal do país.

O procurador-geral da Venezuela, Tarek William Saab, disse na época que funcionários do governo estariam supostamente conduzindo operações petrolíferas paralelas com a ajuda do departamento nacional de criptomoedas. Recentemente, o governo venezuelano também encerrou seu projeto de criptomoeda própria.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube Telegram | TikTok

Acompanhe tudo sobre:CriptomoedasMineração de bitcoinVenezuelaBitcoin

Mais de Future of Money

Ton, blockchain ligado ao Telegram, bate recorde e chega a R$ 3 bilhões em investimentos

Investidores de criptomoedas deveriam estar em pânico, diz fundador de fundo

Binance é acusada de racismo por publicação nas redes sociais e culpa estagiário

Mineradoras de bitcoin listadas nos EUA atingem maior valor da história

Mais na Exame