A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Safra de cana no Brasil pode ser menor que esperada, diz Wilmar

“Nunca vimos tais condições de safra, com um déficit recorde de chuvas mês após mês”, disse por e-mail Karim Salamon, chefe de análise de mercado de açúcar da Wilmar

A crise hídrica piora as perspectivas para a safra de cana-de-açúcar no Brasil, de acordo com a trading Wilmar International.

Sob o impacto da seca, a produção de cana na região Centro-Sul deve cair quase 100 milhões de toneladas em relação ao ano anterior, para 510 milhões de toneladas na temporada 2021-22, estima a Wilmar, com sede em Singapura. Em abril, a previsão era de 530 milhões de toneladas. O novo volume seria o menor em uma década, e há chance de que a produção possa cair ainda mais.

“Nunca vimos tais condições de safra, com um déficit recorde de chuvas mês após mês”, disse por e-mail Karim Salamon, chefe de análise de mercado de açúcar da Wilmar. “Não há referência de tal estiagem no Centro-Sul do Brasil em um período tão longo. Isso nunca aconteceu.”

Secas a geadas no maior exportador de açúcar do mundo contribuíram para um déficit global da commodity, ajudando a impulsionar os contratos futuros do açúcar bruto para o maior nível em quatro anos no início deste mês. O fortalecimento do mercado de etanol também levou algumas usinas no Brasil a desviarem mais cana para produzir o biocombustível em vez de açúcar.

O açúcar bruto acumula ganho de cerca de 12% este ano, sendo cotado a 17,39 centavos de dólar por libra-peso em Nova York. Os preços desaceleraram na segunda-feira em meio aos sinais de que as principais regiões produtoras do Brasil conseguiram escapar de grandes danos causados pelas baixas temperaturas.

A forte queda da produção do Brasil deve levar algumas usinas a fechar já em outubro, disse Salamon. A produção de açúcar pode somar 31 milhões de toneladas, queda de 7,5 milhões de toneladas em relação à safra anterior. Em abril, a Wilmar previa produção entre 31 milhões de toneladas e 33 milhões de toneladas.

“A situação deve piorar daqui para frente, e a produtividade no Centro-Sul do Brasil devem cair ainda mais”, disse Salamon, citando os modelos da empresa.

Em junho, a produtividade média no Brasil já era 12% menor do que no ano passado. A safra de cana pode não se recuperar na temporada 2022-23, já que a estiagem deste ano e as geadas do início de julho dificultaram o replantio, explicou Salamon.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também