• BVSP 121.800,79 pts -3,1%
  • USD R$ 5,2089 +0,0000
  • EUR R$ 6,1881 +0,0000
  • ABEV3 R$ 16,63 -2,92%
  • BBAS3 R$ 31,69 -2,13%
  • BBDC4 R$ 24,26 -1,66%
  • BRFS3 R$ 25,63 -1,69%
  • BRKM3 R$ 58 -2,29%
  • BRML3 R$ 10,12 -3,07%
  • CSAN3 R$ 25,66 -2,99%
  • ELET3 R$ 40,54 -4,14%
  • EMBR3 R$ 18,57 -4,38%
  • Petróleo US$ 71,92 +0,00%
  • Ouro US$ 1.867,30 +0,00%
  • Prata US$ 25,33 +0,00%
  • Platina US$ 1.061,40 +0,00%

Desmatamento na Amazônia: comportamentos conhecidos e alternativas

Os 580 km2 de desmatamento identificados em abril, o maior registrado para o mês desde 2016, nos coloca novamente frente à necessidade de estabelecer novas estratégias de proteção da floresta e combate ao desmatamento

Por Talita Assis, de Invest Pro

Dados de desmatamento do primeiro trimestre seguiram a média histórica

Seja por pressões externas, efetividade das ações de comando e controle ou fatores associados ao próprio processo, os números de alertas de desmatamento emitidos pelo monitoramento Deter/Inpe nos dois primeiros meses do ano foram animadores. Mesmo com o aumento observado no mês de março, o desmatamento acumulado nos três primeiros meses do ano foi de 576 km2, valor 1 km2 abaixo da média para o período entre os anos de 2016 e 2020.

Desmatamento em abril mostrou 70% de aumento em relação à média para o mês, se configurando o maior valor registrado para o mês desde 2016

O primeiro trimestre se foi e com ele o fim da Operação Verde Brasil, que teve como objetivo coibir ações ilegais e contou com a participação das Forças Armadas. O período chuvoso, que dificulta tanto o desmate quanto sua identificação pelos sistemas de monitoramento, também vai terminando. Abril chegou trazendo consigo um valor de área desmatada semelhante à soma de todo o primeiro trimestre. Foram 580 km2 de mata perdida. E se, por um lado, o aumento do desmatamento em abril em relação ao primeiro trimestre é um comportamento esperado, dada a diminuição das chuvas, por outro o total identificado foi o maior valor registrado para o mês desde 2016. São 70% de aumento em relação à média histórica para o mês de abril. Tal fato é alarmante e nos coloca novamente frente a necessidade de estabelecer novas estratégias de proteção da floresta e combate ao desmatamento ilegal, na esfera federal, estadual e municipal, para que os altos índices observados nos últimos anos possam ser evitados.

Os cinco municípios com maior área desmatada no mês

Os cinco municípios com maior área de desmatamento identificada no mês de abril também são conhecidos por já terem integrado nossa lista em meses anteriores. São eles: Altamira (PA), Apuí (AM), Novo Progresso (PA), Lábrea (AM) e São Felix do Xingu (PA), que juntos corresponderam a 43.7% do total desmatado em abril.

 (Divulgação/Divulgação)

tabela_municipios_abril2021.jpg

 (Divulgação/Divulgação)

A pergunta que se coloca é: se tanto falamos sobre a necessidade de preservação da floresta e se existem comportamentos conhecidos e esperados no processo de desmatamento, por que ele se repete ao longo dos anos e acompanhamos novamente a sua intensificação? Os processos observados são resultantes de estruturas complexas, que envolvem diferentes atores, com realidades, necessidades e prioridades distintas. Portanto, o combate ao desmatamento deve permear estes diferentes atores. Isto inclui o monitoramento das florestas, as medidas para aplicação das leis, a conscientização dos impactos socioambientais da perda florestal (tais como aumento de secas extremas e diminuição da produção agrícola) e as pressões sociais pela preservação da Amazônia. Mas também é necessário um novo olhar sobre estes já conhecidos comportamentos, onde se busquem alternativas econômicas e tecnológicas que tornem mais atrativa a integração de preservação e desenvolvimento.

Disclaimer

Essas análises foram embasadas no Deter, o sistema de monitoramento e alerta de desmatamento e outras alterações da cobertura florestal na Amazônia, desenvolvido pelo Inpe para dar suporte à fiscalização, através do repasse diário dos dados mapeados para o Ibama e outros órgãos competentes. Esse sistema monitora vegetação com fisionomia florestal dentro da Amazônia Legal Brasileira, excluindo áreas previamente desmatadas. Portanto, não são contabilizadas as áreas que passaram por desmatamento no passado, estavam em processo de regeneração florestal e foram novamente desmatadas.

A identificação de alterações da cobertura florestal é feita por interpretação visual de especialistas, com área mínima próxima a 3 hectares. Para o público geral são disponibilizadas as áreas superiores a 6,25 hectares. A metodologia e as estatísticas de validação do Deter publicadas em artigo científico.

Embora o Inpe enfatize que a finalidade do Deter seja a expedição de alertas para suportar a fiscalização e que os números oficiais do desmatamento na Amazônia Legal Brasileira sejam fornecidos anualmente pelo Sistema Prodes, a divulgação do Deter tem permitido que a sociedade acompanhe mais de perto a dinâmica do desmatamento na região.

Fique por dentro das principais tendências das empresas ESG. Assine a EXAME.

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.