ESG

Apoio:

logo_suvinil_500x252
Logo TIM__313x500
logo_unipar_500x313
logo_espro_500x313
logo_engie_500X252

Parceiro institucional:

logo_pacto-global_100x50

Planeta: será preciso quadruplicar remoção de CO2 até 2050 para tentar limitar aquecimento

Segundo relatório coordenado pela Universidade de Oxford, será necessário capturar na atmosfera e armazenar de forma sustentável entre 7 e 9 bilhões de toneladas de CO2 por ano até 2050

Tecnologia: na Islândia, a startup Climeworks absorve dióxido de carbono do ar e o armazena sob o solo (AFP Photo)

Tecnologia: na Islândia, a startup Climeworks absorve dióxido de carbono do ar e o armazena sob o solo (AFP Photo)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 4 de junho de 2024 às 19h39.

Última atualização em 4 de junho de 2024 às 19h48.

O mundo precisa quadruplicar a captura de CO2 na atmosfera até 2050 para tentar limitar o aquecimento do planeta, e isso passa pelo uso de tecnologias que ainda dividem os cientistas, segundo um relatório publicado nesta terça-feira, 4.

Será necessário eliminar, ou seja, capturar na atmosfera e armazenar de forma sustentável, entre "7 e 9 bilhões de toneladas de CO2" por ano até 2050, diz esse relatório interdisciplinar coordenado pela Universidade de Oxford, em sua segunda edição.

A primeira edição havia concluído no ano passado que atualmente são eliminados cerca de 2 bilhões de toneladas, sobretudo graças ao reflorestamento, enquanto 40 bilhões de toneladas foram emitidos no mundo em 2023.

"Paralelamente a uma rápida redução das emissões", que segue sendo "a estratégia mais importante", a eliminação de dióxido de carbono (CO2) da atmosfera "também é necessária" para alcançar as metas do Acordo de Paris, lembram mais de 50 pesquisadores. Alguns deles fazem parte também do IPCC, grupo de especialistas no clima sob a ONU que reconheceu a necessidade de remover CO2, mas que considera que a tecnologia tem um papel limitado.

Boa e má notícia

A eliminação de CO2 passou recentemente por "um rápido crescimento na pesquisa, a opinião pública e as startups", mas estão surgindo os "primeiros sinais de uma desaceleração" porque as políticas e os financiamentos públicos não estão à altura, indicam os especialistas. Segundo eles, o mercado está crescendo atualmente devido à demanda das empresas por créditos de carbono, uma ferramenta financeira controversa.

As empresas compram esses créditos para compensar 1 tonelada de CO2 emitida por suas operações, mediante o financiamento de um projeto de remoção de CO2 ou redução de emissões.

Os aspiradores de CO2 da startup Climeworks, instalados na Islândia, são uma boa ilustração: duas plantas permitem hoje captar e armazenar 10 mil toneladas de CO2 por ano graças ao apoio de fundos privados e à venda de créditos de carbono.

Para alcançar o milhão de toneladas, a Climeworks precisará de vários bilhões de dólares e, até a data, só os Estados Unidos anunciaram um plano de US$ 3,5 bilhões (R$ 18,5 bilhões) dedicado também à captura de CO2, não apenas sua eliminação.

Riscos para o meio ambiente

Segundo o Centro para o Direito Ambiental Internacional (Ciel), este relatório ilustra "uma tendência preocupante que busca cada vez mais vender a eliminação do CO2 como uma solução para a mudança climática". "É uma distração frente à prioridade que é (...) sair das energias fósseis", afirma Lili Fuhr, do Ciel.

A eliminação concentra-se no CO2 já emitido na atmosfera, por meio da restauração ou criação de sumidouros de carbono naturais (florestas, solos, turfeiras), mas também de novas técnicas, associadas ao armazenamento subterrâneo ou em materiais, que representam menos de 0,1% do CO2 atualmente eliminado.

Entre elas estão a captação direta do ar com grandes aspiradores/compressores (DACCS), a captura após a combustão de biomassa para transformá-la em energia (BECCS), a conversão de biomassa em biochar (substância similar ao carvão vegetal), e a trituração de rochas que absorvem CO2 para espalhá-las na terra ou no mar.

Para a ONG Ciel, algumas dessas técnicas (DACCS, geoengenharia e BECCS) implicam "riscos imensos para os ecossistemas e as comunidades".

Os autores do relatório não negam esses pontos e destacam os riscos dos cenários que dependem dessas novas tecnologias, "algumas das quais acarretam riscos para o meio ambiente, enquanto outras também têm benefícios colaterais" além de remover o CO2. As técnicas mais tradicionais também podem, quando mal executadas, ser prejudiciais para "a biodiversidade e para a segurança alimentar", acrescentam.

Por isso, fazem um apelo a um desenvolvimento "rápido", mas "sustentável" e enquadrado, da eliminação do CO2, sem desviar a atenção dos esforços para reduzir as emissões.

Acompanhe tudo sobre:Emissões de CO2Efeito estufaCréditos de carbonoAquecimento global

Mais de ESG

Sabedoria indígena e financiamento sustentável: as estratégias para uma infraestrutura resiliente

Quase 30% da população global enfrenta subnutrição, e custo de acabar com a fome chega a US$ 4 tri

21 de julho: o dia mais quente já registrado no mundo

Ministro dos Transportes se diz preparado para enfrentar novos eventos climáticos extremos

Mais na Exame