ESG

Apoio:

logo_suvinil_500x252
Logo TIM__313x500
logo_unipar_500x313
logo_espro_500x313
logo_engie_500X252

Parceiro institucional:

logo_pacto-global_100x50

Corredor biológico marinho: uma alternativa para a preservação dos oceanos

Encontro com especialistas, que acontece a partir desta sexta-feira, na Costa Rica, vai discutir formas de preservar e garantir a sustentabilidade dos oceanos mesmo com o avanço das mudanças climáticas

Cuidado: a proteção do oceano está prevista nos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) (AFP Photo)

Cuidado: a proteção do oceano está prevista nos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) (AFP Photo)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 6 de junho de 2024 às 18h51.

Última atualização em 6 de junho de 2024 às 19h36.

Cientistas, acadêmicos, dirigentes e ambientalistas debaterão entre sexta-feira, 7, e sábado, 8, na Costa Rica, medidas para a preservação e sustentabilidade dos oceanos diante das alterações climáticas e das ações humanas, um ano antes da conferência mundial sobre o tema que será realizada na França

O país da América Central recebe o encontro Inmersed in change ("Imersos na mudança") ao coorganizar com a França a Terceira Conferência das Nações Unidas sobre os Oceanos (Unoc), marcada para junho de 2025, na cidade de Nice.

O chanceler da Costa Rica, Arnoldo André, explicou às vésperas do fórum preparatório que será “um espaço de troca de boas práticas e experiências de sucesso em questões relacionadas à saúde dos oceanos”. Os participantes debaterão questões de governança, aquecimento global, pesca e biodiversidade marinha que ajudam na tomada de decisões durante a conferência na França.

Diplomacia azul

Um dos principais eixos do Inmersed in change é continuar com a agenda política internacional para cumprir os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) estabelecidos em 2015 pela ONU. O de número 14 trata da proteção do oceano.

Para isso, o primeiro passo é agregar integrantes ao Tratado de Proteção do Alto-Mar assinado em 2023 por mais de 70 países, incluindo os dois anfitriões.

"A Costa Rica está trabalhando arduamente no objetivo de proteger 30% das superfícies terrestres e marinhas em 2030 e na ratificação pelo maior número possível de países-membros (da ONU) do novo tratado para a conservação e uso sustentável da biodiversidade de áreas internacionais", explicou André.

O alto-mar são águas internacionais que começam onde terminam as zonas econômicas exclusivas (ZEE) dos Estados, a cerca de 200 milhas náuticas (370 quilômetros) da costa. Atualmente, apenas cerca de 1% do alto-mar está sob medidas de conservação, e a principal ferramenta do tratado é a criação de áreas marinhas protegidas nestas águas.

“Se você quer chegar à França com o dever de casa feito, é neste fim de semana na Costa Rica que você deve passar das palavras para a ação”, disse à AFP a bióloga marinha Pilar Marcos, chefe de Oceanos do Greenpeace Internacional.

Um exemplo desta diplomacia internacional é o projeto assinado por Equador, Colômbia, Panamá e Costa Rica para criar um corredor biológico marinho no Oceano Pacífico, desde as Ilhas Galápagos, no Equador, até a Ilha do Coco, na Costa Rica. “Seria uma das maiores estratégias de conservação do mundo”, destacou a organização ambientalista WWF.

Adaptação à mudança climática

O evento em San José servirá também para comparar situações, ações e previsões.

“Existem sérios problemas associados à poluição marinha e daí surgem muitas fontes de poluição que prejudicam a saúde dos oceanos”, explicou Álvaro Morales, diretor do Centro de Pesquisa em Ciências Marinhas e Limnologia (Cimar) da Universidade de Costa Rica (UCR).

Dois terços da superfície terrestre são cobertos por água e os oceanos são a maior fonte de absorção de CO2 do planeta.

“Quando o oceano não está com boa saúde, começam a ocorrer manifestações na sua produtividade biológica, na capacidade dos organismos de se adaptarem às mudanças climáticas”, comentou Morales.

Encontrar soluções para recuperar, sustentar e manter a saúde dos oceanos é o objetivo do “Imersos na mudança” antes da conferência global. “Se não, não chegaremos a tempo de proteger pelo menos 30% dos oceanos do mundo até 2030”, alertou o Greenpeace.

Acompanhe tudo sobre:infra-cidadãOceanosÁguaPeixesParis (França)Costa RicaAquecimento globalMudanças climáticas

Mais de ESG

Lobo-cinzento escapa do extermínio e agora sua proteção está sob ameaça

Maurício de Sousa e Unicef promovem leilão de 31 versões do Sansão criadas por estilistas

"Mini-Pantanal Paulista" enfrenta morte de peixes e usina é investigada

PUC-Rio migra do petróleo à energia limpa para ser o motor econômico do Rio de Janeiro

Mais na Exame