ESG

Meta do Acordo de Paris pode ser cumprida se mundo chegar ao net zero, diz estudo da BloombergNEF

Estudo da BloombergNEF, apresentado com exclusividade à Exame, aponta que com fim das emissões na economia aquecimento global pode ficar em até 1,75ºC

Aceleração das tecnologias limpas e a descarbonização são chaves para garantir que meta seja cumprida (YASUYOSHI CHIBA/Getty Images)

Aceleração das tecnologias limpas e a descarbonização são chaves para garantir que meta seja cumprida (YASUYOSHI CHIBA/Getty Images)

Letícia Ozório
Letícia Ozório

Repórter de ESG

Publicado em 21 de maio de 2024 às 08h09.

De acordo com um relatório da BloombergNEF, empresa de pesquisas sobre finanças energéticas, a aceleração das tecnologias limpas e a descarbonização são chaves para garantir que a principal meta do Acordo de Paris, de manter o aquecimento global abaixo dos 2ºC, seja cumprida.

O estudo Energy Outlook 2024, divulgado com exclusividade para a Exame, cria cenários para o aumento da temperatura global. No cenário de transição econômica, a redução nas emissões de CO2 — de 34 bilhões de toneladas para 25 bilhões —implicaria em manter o aquecimento global em 2,6ºC até 2050, acima da meta.

No cenário de Net Zero, com a redução das emissões a partir de 2025 até que sejam zeradas, o aquecimento global pode se manter em 1,75ºC até 2050, aponta o relatório. As mudanças no consumo e demanda de energia, transporte e indústria só ocorrerão com o aumento no curto prazo das tecnologias ligadas à energia limpa.

A pesquisa cita como ações necessárias para a transição ao cenário Net Zero a necessidade de triplicar a capacidade energética de fontes limpas e renováveis até 2030, as substituições dos veículos a combustão por carros elétricos até 2034 e o aumento das tecnologias de captura de carbono.

O cenário de transição econômica considera ainda a importância dos veículos elétricos, da energia limpa e a eficiência energética para reduzir as emissões. Se essas tecnologias não fossem incentivadas, as emissões seriam 50% maiores em 2050 e 27% maiores do que são hoje. A pesquisa considera que os combustíveis fósseis ainda exercem um papel significativo nos principais setores da economia, mas a demanda por gás cresce de forma modesta a partir da substituição por petróleo e carvão.

Cenário preocupante

Autor da pesquisa e chefe de economia na BloombergNEF, David Hostert conta que o cenário para manter a temperatura abaixo dos 2ºC está cada vez mais estreito. “Desde que atualizamos as previsões pela última vez há 18 meses, a transição energética acelerou, mas não o suficiente. O relatório deve ser um alerta de que precisamos de uma rápida redução das emissões para já”, explica.

O estudo aponta que garantir a “limpeza” do setor energético pode evitar metade das emissões de CO2 até 2050. A eletrificação dos setores de transporte rodoviário, edificações e indústria corresponde a uma diminuição de 25% das emissões. O restante, segundo a pesquisa, corresponde a parcela mais complexa: a utilização de biocombustíveis da aviação, hidrogênio verde, e a captura e armazenamento de carbono na indústria e energia.

Mas e se a tecnologia não for capaz de acelerar a produção sem emissões? Nesse caso, os pesquisadores consideram que os mercados passariam a utilizar energia renováveis mais baratas, como solar e eólica. Nesse cenário, o crescimento seria de 51% até 2030 e 70% até 2050.

O cenário da transição econômica, segundo a pesquisa, necessita de um investimento de US$ 181 trilhões, enquanto o Net Zero, de US$ 215 trilhões.

Acompanhe tudo sobre:BloombergEnergiaEnergia renovável

Mais de ESG

Bill Gates quer investir 'bilhões de dólares' em energia nuclear; entenda o motivo

Empresas apostam na bioeconomia como modelo de desenvolvimento

Um pequeno chute para o homem, mas um golaço para a humanidade: o Exoesqueleto de Miguel Nicolelis

Unilever Brasil aumenta uso de plástico reciclado pós-consumo em embalagens e vira referência global

Mais na Exame