P&G quer mudar o mercado publicitário ao formar profissionais negros; inscrições estão abertas

"O programa Cria da Quebrada pretende promover a mudança que precisamos", disse Marc Pritchard, VP global de marketing da P&G, em entrevista exclusiva à EXAME. Programa é em parceria com a Grey, a Faculdade Zumbi dos Palmares e a M.AD School of Ideas
José Vicente, reitor da Faculdade Zumbi dos Palmares no lançamento do programa Cria da Quebrada, da P&G (P&G/Leo Orestes/Reprodução)
José Vicente, reitor da Faculdade Zumbi dos Palmares no lançamento do programa Cria da Quebrada, da P&G (P&G/Leo Orestes/Reprodução)
M
Marina FilippePublicado em 26/08/2022 às 07:00.

De todo o mercado publicitário brasileiro, apenas 23% dos profissionais são pretos e pardos. Quando em cargo de liderança, a representatividade é de 15%. Para mudar parte desse cenário, a fabricante de bens de consumo P&G apresenta o Cria da Quebrada, um projeto que consiste em formar profissionais negros para a indústria criativa da publicidade e propaganda.

Receba gratuitamente a newsletter da EXAME sobre ESG. Inscreva-se aqui

O projeto é uma parceria com a Grey Brasil, a Faculdade Zumbi dos Palmares e a M.AD School of Ideas, escola de criatividade e estratégia, também conhecida como a Escola do Ano Festival de Cannes 2022, que lecionará o curso de preparação para criativos (redatores e diretores de arte).

"Sabemos que é importante garantir que os produtos e as comunicações sejam para todos e feito por todos. E, o trabalho é melhor quando as pessoas que estão atrás das câmeras representam quem está à frente e também em casa. O programa Cria da Quebrada pretende promover a mudança que precisamos. Isto é bom para as pessoas e para os negócios", disse Marc Pritchard, vice-presidente global de marketing da P&G, em entrevista exclusiva à EXAME no escritório da companhia, em São Paulo.

Em sua agenda no Brasil, o executivo tem acompanhado os times de propaganda em ações, por exemplo, como da marca Downy com a influenciadora Camilla de Lucas. "Camilla é um exemplo fantástico da importância de pessoas negras na publicidade".

Pritchard entende que o programa Cria da Quebrada pode ser replicado em outras regiões e é complementar ao movimento Widen The Screen, que ocorre nos Estados Unidos. "Sabendo que 2/3 das pessoas negras não se veem representadas nas telas, promovemos nos últimos quatro anos a criação de 18 filmes com cerca de 300 criadores de conteúdo pretos e pardos. Isto influencia o trabalho de mídia nas companhias e pode servir de exemplo para diversos países.", afirma.

Camilla de Lucas, que também esteve na sede da companhia, falou da importância do seu trabalho para a representatividade negra no mercado. "Quando comecei no YouTube eu falava sobre beleza e também mercado. Estava lutando para que outras mulheres negras tivessem acesso ao mercado que consumimos e temos direito de ter bons produtos e campanhas".

Cria da Quebrada

O principal objetivo do Cria da Quebrada é capacitar a população negra para compor o mercado criativo da publicidade e propaganda que ainda é formado apenas por 15% de pessoas negras em cargos estratégicos de diretoria.

Além da formação dos profissionais negros, a iniciativa visa a inserção no mercado de trabalho. Por isso, os estudantes poderão apresentar seu portfólio criado durante o curso no evento de formatura, que contará com a participação de todas as agências que atendem a P&G.

"Há mais de 180 anos de existência, a P&G mantém um compromisso global de ser uma força para o bem e uma força para o crescimento. Somente quando ampliarmos nossa visão, conseguiremos ampliar o espectro das imagens que vemos, das vozes que ouvimos, das histórias que contamos e das pessoas que entendemos. É assim que a P&G está trabalhando com e para os criadores negros – tanto atrás das câmeras, quanto na frente delas”, diz André Felicíssimo, presidente da P&G Brasil.

A Grey Brasil tem prioridade na contratação dos profissionais e promoverá intercâmbio de até cinco alunos para um estágio em uma das agências da Grey pelo mundo. "Este projeto é urgente e importante para tornar o mercado publicitário mais inclusivo, considerando que 56% da população brasileira é negra. É nosso dever, como empresa de comunicação, construir pontes para uma sociedade mais justa", diz Luciana Rodrigues CEO da Grey.

Segundo ela, a inciaitiva começou a ser desenhada em abril de 2021. "Levamos esse tempo para constuir o melhor programa possível, com métricas que vão acompanhar o desempenho dos alunos e a empregabilidade. Precisamos ter esse cuidado para promover a retenção dos talentos de fato", diz.

Para isto, os participantes que poderão se inscrever em um edital, receberão auxílio financeiro mensal de 180 reais para transporte e alimentação. As aulas também acontecerão no período da noite, durante sete meses, por entender que parte dos alunos precisam seguir suas rotinas de trabalho durante o dia. Equipamentos técnicos também serão oferecidos.

A Universidade Zumbi dos Palmares indica que 90% dos alunos que se formaram nos cursos de Publicidade e Propaganda da instituição estão empregados e com o Cria da Quebrada a capacitação desses profissionais fortalece. “É preciso lembrar que a nossa Universidade começou com a Publicidade e Propaganda, pois precisamos mostrar que a pele negra não pode ser demonizada ou sofrer um processo de apagamento da história e das comunicações. Agora, com o Cria da Quebrada estamos fortalecendo esse mercado para deixar um legado de respeito e profissionalismo", afirma José Vicente, reitor da Universidade Zumbi dos Palmares e membro do Conselho de Ética do Conselho Nacional de Regulamentação da Propaganda.

O curso terá duas fases. Na primeira, os alunos passam por ambientação sobre o mercado de trabalho, conhecendo equipamentos, termos e processos. Na segunda eles podem optar por se especializar em redação ou direção de arte. "Pensamos em começar com uma turma com 25 pessoas para que todos tenham um bom aproveitamento. Acreditamos que todo o mercado vai se beneficiar com a formação dos alunos", diz Felicíssimo.