ESG

Apoio:

logo_suvinil_500x252
Logo TIM__313x500
logo_unipar_500x313
logo_espro_500x313
logo_engie_500X252

Parceiro institucional:

logo_pacto-global_100x50

Organizações se unem para alavancar metas de equidade racial nas empresas

O Pacto Global da ONU no Brasil, o MOVER (Movimento Pela Equidade Racial) e o Pacto de Promoção de Equidade Racial assinaram uma Carta Compromisso no evento SDGs in Brazil, promovido pelo Pacto Global na sede da ONU em Nova York

Carlo Pereira, CEO do Pacto Global da ONU no Brasil, Marina Peixoto, diretora executiva do Mover e Gilberto Costa, diretor executivo do Pacto de Promoção da Equidade Racial (Leandro Fonseca/Exame)

Carlo Pereira, CEO do Pacto Global da ONU no Brasil, Marina Peixoto, diretora executiva do Mover e Gilberto Costa, diretor executivo do Pacto de Promoção da Equidade Racial (Leandro Fonseca/Exame)

Marina Filippe
Marina Filippe

Repórter de ESG

Publicado em 15 de setembro de 2023 às 07h00.

Última atualização em 19 de setembro de 2023 às 11h48.

De Nova York*

Impulsionar a empregabilidade de pessoas negras e a equidade racial como um todo no Brasil é uma questão essencial, mas ainda desafiadora. Ao admitir este cenário, o Pacto Global da ONU no Brasil, o MOVER (Movimento Pela Equidade Racial) e o Pacto de Promoção de Equidade Racial assinam nesta sexta-feira, 15, uma Carta Compromisso no evento SDGs in Brazil, promovido pelo Pacto Global no Delegates Dining Room, dentro da Sede da ONU em Nova York.

Na prática, as organizações passam a trabalhar de forma conjunta com objetivo de alavancar as metas comuns. "As três organizações têm a mesma crença de que para ser maior, só fazendo junto. A gente se complementa, não compete e temos o objetivo combater o racismo e trabalhar a agenda de equidade racial nas empresas", diz Marina Peixoto, diretora executiva do Mover.

Para se ter ideia do contexto atual, de acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), as pessoas negras são a maior parte entre os mais pobres (78,5% contra 20,8% das pessoas brancas) e possuem a maior taxa de desemprego (32,7% contra 11,3%). Mais da metade das pessoas trabalhadoras do Brasil (53,8%) são negras, mas o índice não acompanha o topo da hierarquia nas organizações. Apenas 29,5% dos cargos gerenciais das empresas são ocupados por pessoas negras (e 69% por pessoas brancas).

A intenção da união é também ajudar as empresas a participarem dos movimentos. "Temos a ideia de não reinventar a roda. Há uma complementariedade entre os movimentos, o que, por vezes, gera uma confusão nas empresas. Ao entender isto, resolvemos tirar proveito das fortalezas de cada organização, e ao mesmo tempo construir algo para mover a régua do mercado brasileiro na questão racial", diz Carlo Pereira, CEO do Pacto Global da ONU no Brasil.

Com certificado e aulas práticas, este workshop de ESG ensina a entrar em área que está transformando o mercado. Participe!

Cada organização segue com a atuação e governança de forma independente, ma estabelecem o compromisso público de apoio institucional, impulsionando e divulgando ações, compartilhando conhecimentos e identificando oportunidades de atuação conjunta.

"O investimento privado em equidade racial é o que vai fazer a diferença ao implementar ações de capacitação e fomento ao empreendedorismo negro. Isto culmina também em quanto conseguimos, como sociedade civil, acabar com a disputa de bandeiras e fazendo avanços conjuntos, pois o investimento em equidade racial leva tempo e demanda recursos", afirma Gilberto Costa, diretor executivo do Pacto de Promoção da Equidade Racial.

Entenda as metas anunciadas:

  • O Pacto Global da ONU no Brasil, através da iniciativa “Movimento Raça é Prioridade”, com metas para as empresas buscarem o equilíbrio racial em sua composição interna, oferecendo metodologia e capacitação, além do engajamento da alta liderança e de seu lugar privilegiado no sistema ONU;
  • O MOVER, com a sua aceleração de processos de diversidade, equidade e inclusão e boas práticas nas organizações, com a definição de metas de posição de liderança e investimento coletivo na formação, empregabilidade e aceleração de carreira de pessoas negras;
  • O Pacto de Promoção de Equidade Racial, com suas ferramentas de mensuração de desequilíbrio racial nas empresas, com o Protocolo ESG Racial e o Índice ESG de Equidade Racial, que ajudam as organizações a avançarem na pauta, e com incentivo ao Investimento Social Privado em equidade racial.

Veja também: 

Acompanhe tudo sobre:Exame na Assembleia GeralPacto Global da ONU no BrasilIBGE

Mais de ESG

Lobo-cinzento escapa do extermínio e agora sua proteção está sob ameaça

Maurício de Sousa e Unicef promovem leilão de 31 versões do Sansão criadas por estilistas

"Mini-Pantanal Paulista" enfrenta morte de peixes e usina é investigada

PUC-Rio migra do petróleo à energia limpa para ser o motor econômico do Rio de Janeiro

Mais na Exame