Na volta dos festivais, Rock The Mountain aposta em sustentabilidade

Festival trouxe visibilidade para questões sociais e ambientais, mostrando que até megaeventos podem ser mais sustentáveis
Show do cantor Alceu Valença durante o festival Rock The Mountain. (Mariana Martucci/Exame)
Show do cantor Alceu Valença durante o festival Rock The Mountain. (Mariana Martucci/Exame)
Por Isabela RovarotoPublicado em 07/05/2022 09:00 | Última atualização em 06/05/2022 19:27Tempo de Leitura: 4 min de leitura

A grande expectativa do setor de cultura e eventos é fazer de 2022 o ano da retomada. Reunir milhares de pessoas em eventos privados parecia uma realidade distante nos últimos dois anos, mas com a ampla vacinação contra a covid-19, shows, jogos de futebol, feiras de exposições e festivais já estão acontecendo no Brasil. E marcando a grande retomada dos festivais no Rio de Janeiro, o Rock The Mountain apostou em trazer visibilidade para questões sociais e ambientais, mostrando que até megaeventos podem ser mais sustentáveis.

A sexta edição do festival aconteceu em abril e reuniu cerca de 80 mil pessoas no Parque de Exposições de Itaipava, em Petrópolis. O evento se destaca por unir um lineup com grandes nomes da música brasileira a uma proposta sustentável nas montanhas da região serrana do Rio.

Veja exemplos práticos de como as empresas geram valor aos seus negócios com as normas do ESG

Compensação da emissão de carbono, reciclagem de resíduos, uso de biodiesel como fonte de energia são algumas das medidas adotadas para reduzir o impacto ambiental do evento. O evento também oferecia água gratuitamente para fazer com que a venda de garrafas plásticas fosse a menor possível.

“Se a alma do Rock the Mountain passa pelo contato com natureza, temos que ter todo o respeito e cuidado com ela. O festival tem um apelo sustentável que para nós é primordial. Investimos na compra de créditos de carbono para anular toda a emissão de gases poluentes do evento. Trabalhamos também para fazer um festival aterro zero: mais de 90% dos resíduos vai para reciclagem junto às cooperativas locais, que são nossas parceiras”, afirmou o organizador Ricardo Brautigam.

O festival também apostou em um cardápio totalmente vegetariano, sem proteína animal. A notícia algumas pessoas de surpresa, mas foi bem aceita pela maioria. A marca Fazenda do Futuro foi um dos destaques da praça de alimentação.

"Algumas pessoas dizem que cortar a proteína animal do evento é radical. Respondo que se ficarmos um ou dois dias sem comer carne, juntos, somos capazes de gerar um impacto positivo muito grande. Além disso, conseguimos reunir centenas de opções que são não apenas saudáveis e gostosas, mas acessíveis”, disse Brautigam.

Roda gigante da Amstel, uma das atrações do festival. (Mariana Martucci/Exame)

O festival aconteceu em dois finais de semana com a mesma programação. Uma das preocupações do "Coachella brasileiro" era em preservar a experiencia do publico sem superlotar o evento. Nos sábados, Caetano Veloso, Djavan, Black Alien e Mc Tha se apresentaram em três palcos. Já nos domingos, Teresa Cristina, Marina Lima, Gal Costa, Silva, Criolo, BaianaSystem, Alceu Valença, Marina Sena, Djonga e Marcos Valle foram alguns dos destaques. Artistas locais também se apresentaram no palco Coreto.

O festival, que surgiu como uma ação de ativação de marca, a Ausländer, do organizador Ricardo Brautigam, conta nesta edição com uma loja de roupas. Marcas como Bolovo, Dendezeiro e Toró são algumas das parceiras. Além dos shows, as experiências do festival incluíram prática de yoga, bungee jump, balão, roda-gigante e tirolesa.

Petrópolis

O evento foi realizado dois meses após as chuvas que deixaram 233 mortos e deixaram mais de 600 desabrigados. A organização do festival e a ONG Volunteer Vacatione arrecadaram cerca de 100 mil reais para ajuda emergencial e estrutural à população local.

“Temos uma relação de muito cuidado e respeito com a cidade e as pessoas de Petrópolis. Não queremos chegar aqui, fazer um festival, movimentar a economia e o turismo, mas sair deixando problemas para a cidade. Tentamos fazer o máximo por Petrópolis, a começar pelo Parque que recebe o festival, estamos trabalhando para que seja um equipamento público sustentável, com energia solar, reformamos as quadras e cuidamos do paisagismo. Além disso abraçamos a comunidade artística local, temos um palco Coreto, um dos símbolos da cidade, que tem programação 100% de artistas locais. Na decoração do evento, temos dezenas de peças de crochê feitas por um coletivo de mulheres de Petrópolis, que depois serão doadas para a comunidade”, explicou Brautigam.

Outra edição em 2022

Se você perdeu a primeira edição do festival após dois anos de pandemia, pode ficar tranquilo. Em novembro, o evento estará de volta em Petrópolis. Gilberto Gil e Glória Groove são atrações confirmadas. A venda dos ingressos para dos dias 05 e 06, 12 e 13 de novembro começam na próxima segunda-feira, 9. Para mais informações, acesse o site https://www.rockthemountain.com.br/.