Eurofarma compra créditos de carbono na Amazônia e neutraliza emissões

Para conseguir neutralizar suas emissões, a empresa também focou em reduzi-las, com investimento principalmente em redução de emissões em sua frota
 (Florian Gaertner / Photothek/Getty Images)
(Florian Gaertner / Photothek/Getty Images)
V
Victor Sena

Publicado em 03/05/2021 às 15:13.

Última atualização em 03/05/2021 às 15:36.

O Grupo Eurofarma, multinacional do setor farmacêutico de capital 100% brasileiro e com presença em 20 países, neutralizou 100% das emissões diretas de dióxido de carbono (CO2). A ação de neutralização de emissões beneficia dois projetos de proteção da Amazônia, preservação da biodiversidade e apoio ao desenvolvimento social, por meio da aquisição de créditos de carbono.

Segundo a empresa, o valor investido para essa aquisição irá beneficiar os projetos socioambientais nos campos de geração de energia renovável, conservação da fauna e da flora e desenvolvimento da comunidade local.

Para conseguir neutralizar suas emissões, a empresa também focou em reduzi-las. Foi determinado que os veículos da Força de Vendas sejam abastecidos com uma proporção de 75% de etanol e 25% de gasolina, a carona solidária foi estimulada com vagas exclusivas para quem compartilha o transporte e a empresa investiu em frota inteligente.

Para reduzir emissões indiretas, foram instalados mais de 7.200 painéis solares nos telhados das edificações com potência instalada de 2,2 MW, implantação do processo de compostagem e plantio de árvores.

O inventário de emissões de gases de efeito estufa (GEE) da Eurofarma segue, desde 2008, a metodologia do GHG Protocol, reportando as emissões dos gases controlados pelo Protocolo de Paris. Este inventário permite o mapeamento das fontes de emissão de GEE de uma atividade, processo, organização, setor econômico, cidade, estado ou até mesmo de um país, seguido da quantificação, monitoramento e registro dessas emissões.