COP27: Guterres, da ONU, cobra países ricos e setor privado para aumento dos investimentos

Secretátio-geral da ONU diz que "a maneira mais eficaz de reconstruir a confiança e mitigar efeitos das mudanças climáticas é encontrar um apoio financeiro aos países em desenvolvimento". Nos corredores da COP27, já se fala de aumentar a meta do limite para o "aquecimento global seguro".
Antonio Guterres, secretário-geral da ONU na COP27 (Sean Gallup/Getty Images)
Antonio Guterres, secretário-geral da ONU na COP27 (Sean Gallup/Getty Images)
M
Marina Filippe

Publicado em 17/11/2022 às 12:43.

Última atualização em 17/11/2022 às 12:54.

De Sharm el-Sheikh, no Egito

Antonio Guterres, secretário-geral da ONU, não está muito otimista nas horas finais da COP27, a Conferência das Partes para mudanças climáticas. No fim da tarde desta quinta-feira (no horário do Egito, onde ocorre a COP27), ele enviou um comunicado no qual afirma que "as Partes permanecem divididas em uma série de questões importantes".

O maior desafio, pelo que se comenta nos corredores da COP, é que os países anunciem compromissos para limitar o aquecimento global em até 1,5°C acima dos níveis pré-industriais. Assim, a meta pode mudar para 2ºC, já apresentando maiores problemas pelos impactos das mudanças climáticas.

"A meta de 1,5 não é simplesmente manter uma meta viva – é manter as pessoas vivas.
Vejo a vontade de manter a meta de 1,5 – mas devemos garantir que esse compromisso seja evidente no resultado da COP27", disse Guterres.

A EXAME está na COP27, da ONU. Acesse a página especial e saiba tudo o que acontece no mais importante evento de mudanças climáticas, sustentabilidade e sociedade

O secretário comentou também sobre a importância do setor privado para a aceleração da ambição. "De forma mais ampla, precisamos continuar pressionando por um Pacto de Solidariedade Climática.
Um Pacto com os países desenvolvidos assumindo a liderança na redução de emissões. E um Pacto para mobilizar – juntamente com as Instituições Financeiras Internacionais e o setor privado – apoio financeiro e técnico para as economias emergentes acelerarem sua transição para as energias renováveis."

Veja o discurso completo:

Acabei de sair de um avião da reunião do G20 em Bali – e fui informado pelo presidente da COP27, Sameh Shoukry, que estamos em um momento crítico nas negociações.

A COP27 está programada para acabar em 24 horas, e as Partes permanecem divididas em uma série de questões importantes. Há claramente uma quebra de confiança entre o Norte e o Sul e entre as economias desenvolvidas e emergentes. Não é hora de apontar o dedo.

O jogo da culpa é uma receita para a destruição mútua garantida. Estou aqui para apelar a todas as partes para enfrentar este momento e o maior desafio que a humanidade enfrenta. O mundo está assistindo e tem uma mensagem simples: fique e entregue. Entregue o tipo de ação climática significativa que as pessoas e o planeta precisam tão desesperadamente.

As emissões globais estão em seu nível mais alto da história – e aumentando. Os impactos climáticos estão dizimando economias e sociedades – e crescendo. Sabemos o que precisamos fazer - e temos as ferramentas e os recursos para fazê-lo. Por isso, apelo às partes para que atuem em três áreas críticas.

Primeiro, a maneira mais eficaz de reconstruir a confiança é encontrar um acordo ambicioso e confiável sobre perdas e danos e apoio financeiro aos países em desenvolvimento. O tempo de falar sobre finanças de perdas e danos acabou. Precisamos de ação.

Ninguém pode negar a escala de perdas e danos que vemos em todo o mundo. O mundo está queimando e se afogando diante de nossos olhos. Incentivo todas as partes a mostrarem que o veem - e o obtêm. Envie um sinal claro de que as vozes daqueles que estão na linha de frente da crise estão finalmente sendo ouvidas.

Reflitem a urgência, escala e enormidade do desafio enfrentado pelos países em desenvolvimento.
Não podemos continuar negando justiça climática àqueles que menos contribuíram para a crise climática e estão sendo os mais prejudicados. Agora é um momento de solidariedade.

Em segundo lugar, apelo a todas as partes para abordarem vigorosamente a enorme lacuna de emissões. A meta de 1,5 não é simplesmente manter uma meta viva – é manter as pessoas vivas.
Vejo a vontade de manter a meta de 1,5 – mas devemos garantir que esse compromisso seja evidente no resultado da COP27.

A expansão dos combustíveis fósseis está sequestrando a humanidade. Qualquer esperança de atingir a meta de 1,5 requer uma mudança radical nas reduções de emissões. Não podemos fechar a lacuna de emissões sem uma aceleração na implantação de energias renováveis. As Parcerias de Transição Energética Justa são caminhos importantes para acelerar a eliminação gradual do carvão e a expansão das energias renováveis. Esse esforço deve ser ampliado.

De forma mais ampla, precisamos continuar pressionando por um Pacto de Solidariedade Climática.
Um Pacto com os países desenvolvidos assumindo a liderança na redução de emissões. E um Pacto para mobilizar – juntamente com as Instituições Financeiras Internacionais e o setor privado – apoio financeiro e técnico para as economias emergentes acelerarem sua transição para as energias renováveis.

Isso é essencial para manter a meta de 1,5 grau dentro do alcance. As energias renováveis ​​são a rampa de saída da estrada do inferno climático. Em terceiro lugar, as partes devem agir sobre a questão crucial das finanças. Isso significa a entrega de US$ 100 bilhões em financiamento climático para os países em desenvolvimento. Significa clareza sobre como a duplicação do financiamento da adaptação será entregue por meio de um roteiro confiável. E significa agir de acordo com o consenso para reformar os bancos multilaterais de desenvolvimento e as instituições financeiras internacionais.

Seu modelo de negócios precisa mudar para aceitar mais riscos e alavancar sistematicamente o financiamento privado para países em desenvolvimento a um custo razoável. Eles devem fornecer o apoio de que os países em desenvolvimento precisam para embarcar em um caminho de energia renovável e resiliente ao clima.

Senhoras e senhores, temos soluções acordadas à nossa frente – para responder a perdas e danos, para fechar a lacuna de emissões e para cumprir o financiamento.  O relógio do clima está correndo e a confiança continua se desgastando. As partes na COP27 têm a chance de fazer a diferença – aqui e agora. Eu os estimulo a agir - e agir rapidamente.