Setor de serviços recua 5% em março, queda acima do esperado

Segundo dados divulgados pelo IBGE, em relação a fevereiro, o volume do setor caiu 2,3 por cento

São Paulo - O setor de serviços do Brasil contraiu mais do que o esperado em março, no pior resultado em cinco anos, com perdas generalizadas entre as atividades que indicam que a economia tem sofrido para recuperar-se de dois anos seguidos de recessão.

O volume de serviços em março apresentou queda de 2,3 por cento sobre o mês anterior, anulando a alta de 0,4 por cento em fevereiro e a estabilidade de janeiro, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta sexta-feira.

Trata-se da maior queda desde o início da série, em 2012, e bem pior do que a expectativa de recuo de 1,6 por cento em pesquisa da Reuters. O resultado interrompeu quatro meses seguidos de ganhos ou estabilidade.

Na comparação com o mesmo mês do ano anterior, a contração foi de 5 por cento no volume, também pior que o recuo de 3,8 por cento esperado.

Os números do IBGE mostram que em março, na comparaçãomensal, os segmentos de Serviços prestados às famílias e outros serviços apresentaram as piores perdas, respectivamente de 2,1 e 1,2 por cento.

Já o agregado especial das Atividades turísticas teve aumento de 0,9 por cento na comparação com fevereiro.

No primeiro trimestre, o setor de serviços não mostrou recuperação, ao ficar estável sobre o três últimos meses de 2016, que já havia recuado 2,7 por cento.

"O ritmo irregular de crescimento das vendas no varejo no início deste ano está alinhado com a nossa visão de que a economia poderá recuperar-se em um ritmo gradual devido às fracas condições econômicas, limitando um pouco o crescimento do consumo", disseram em nota economistas do Mitsubishi UFJ Financial Group, citando o desemprego e o significativo endividamento das famílias.

O desemprego elevado afeta o setor de serviços apesar da desaceleração da inflação. O Brasil fechou o primeiro trimestre com mais de 14 milhões de pessoas sem emprego.

Alguns indicadores já envolvendo o segundo trimestre têm mostrado que a recuperação pode não estar vindo. Em abril, o Índice de Confiança de Serviços (ICS) apurado pela Fundação Getulio Vargas (FGV) interrompeu série de três altas e recuou, sinalizando ajuste na avaliação do setor sobre as condições de negócios.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.