Produção industrial no Amazonas recua 19,9% em abril

Televisores, cuja produção estava em alta na época da Copa do Mundo, explicam boa parte da sequência de quedas, observadas há mais de um ano no Amazonas

Rio de Janeiro - Depois do impulso positivo da Copa do Mundo sobre a produção de televisores no País, a ressaca se traduz em um peso negativo no setor, bastante significativo no Amazonas.

Em abril, a região registrou queda de 19,9% na produção ante abril de 2014, a 13ª consecutiva nessa comparação, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Só no segmento de equipamentos de informática e produtos eletrônicos, a redução foi de 41,5% na região.

"Os televisores já algum tempo vêm mostrando comportamento negativo. Na época da Copa, houve um crescimento significativo da produção. Desde então, há um recuo da atividade", afirmou Rodrigo Lobo, técnico da Coordenação de Indústria do IBGE. Segundo ele, os televisores explicam boa parte da sequência de quedas, observadas há mais de um ano no Amazonas.

"Um segundo setor que explica a queda da produção no Amazonas é o setor de outros equipamentos de transporte, com recuo de 32,2% em abril ante abril de 2014", disse Lobo.

De acordo com o IBGE, dentro desse setor, os principais pesos negativos são motocicletas e peças. Em 12 meses, a produção industrial no Amazonas acumula queda de 12,5%, a maior já observada na série histórica da região.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.