Produção industrial cai 1,3% em abril e fica abaixo do nível pré-pandemia

Com a terceira queda consecutiva no ano, a produção industrial do país ficou 1% abaixo do patamar pré-pandemia

A produção industrial no Brasil teve queda de 1,3% em abril na comparação com março, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quarta-feira, 2. Com o resultado, a produção industrial do país ficou 1% abaixo do patamar pré-pandemia.

  • A vida está mais complexa, a rotina mais intensa, mas a EXAME Academy pode ajudar a manter a mente em foco 

É o terceiro resultado negativo consecutivo do índice, que acumula perda de 4,4% desde fevereiro. Na comparação com o mesmo mês de 2020, a produção subiu 34,7%. Com o número de abril, a produção industrial está 17,6% abaixo do nível recorde, registrado em maio de 2011.

Esse resultado, entretanto, deve-se à base baixa de comparação do ano passado, devido ao isolamento social adotado na época – em abril de 2020, o setor recuou 27,7%, a maior queda já registrada na série.

No primeiro trimestre, a indústria do Brasil cresceu 0,7% de acordo com os dados do PIB divulgados na véspera pelo IBGE. O setor continua enfrentando as dificuldades apresentadas pelas medidas de contenção do coronavírus em todo o país, bem como desemprego e inflação elevados, destacadamente das matérias-primas.

A queda em abril ocorreu em 18 das 26 atividades investigadas pela Pesquisa Industrial Mensal (PIM). O principal impacto no índice foi da retração de 9,5% de coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis.

“Com a entrada de 2021, o recrudescimento da pandemia e todos os efeitos que isso traz, o setor industrial mostrou uma diminuição muito evidente de seu ritmo de produção. Isso fica claro não só pelos resultados negativos, mas também pelo maior espalhamento desse ritmo de queda”, afirma o gerente da pesquisa, André Macedo.

O pesquisador lembra que, com os resultados negativos de fevereiro, março e abril, o setor industrial perdeu o ganho acumulado que em janeiro estava 3,5% acima do patamar pré-pandemia.

A segunda atividade com maior impacto no índice foi a dos produtos alimentícios, que teve queda de 3,4% em comparação a março.

Outros impactos negativos ocorreram nas atividades de impressão e reprodução de gravações, com queda de 34,8%, de produtos de metal, com queda de 4%, de couro, artigos para viagem e calçados, com queda de 8,9%, de celulose, papel e produtos de papel, que caiu 2,6%, de confecção de artigos do vestuário e acessórios, com queda de 5,2%, de produtos têxteis, com retração de 5,4% e de móveis, que teve redução de 6,5%.

Os resultados negativos ocorreram em duas das quatro grandes categorias econômicas: bens de consumo semi e não duráveis, que teve queda de 0,9%, e bens intermediários, com queda de 0,8%.

Já o setor produtor de bens de capital teve crescimento de 2,9% e o de bens de consumo duráveis, teve aumento de 1,6%.

A mais recente pesquisa Focus divulgada semanalmente pelo Banco Central mostrou que os especialistas consultados veem uma expansão de 5,50% da indústria este ano, crescendo 2,30% em 2022.

Fique por dentro das principais notícias e análises do Brasil e do mundo. Assine a EXAME

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também