Prisões atingem o PT e ameaçam plano econômico do governo

A prisão de Delcídio Amaral aumenta a pressão sobre a presidente Dilma e pode prejudicar votações importantes da agenda econômica

A prisão do líder do governo no Senado aumenta a pressão sobre a presidente Dilma Rousseff e poderá prejudicar as votações importantes da sua agenda econômica justamente no momento em que ela parecia recuperar apoio no Congresso.

Na quarta-feira, a polícia prendeu o líder do governo no Senado, Delcídio Amaral, e o bilionário banqueiro André Esteves por supostamente tentarem interferir nas investigações do esquema de corrupção da Petrobras. Na terça-feira, a polícia prendeu José Carlos Bumlai, amigo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, porque ele teria intermediado contratos fraudulentos do governo.

A série mais recente de prisões representa um revés para as tentativas de Dilma de aprovar medidas de recuperação econômica no Congresso e combater o impeachment, disse o analista político André César, de Brasília.

“A agenda econômica voltou ao segundo plano. Esse é um grande revés para o governo, justamente quando recomeçava a respirar”, disse César. “A ameaça de impeachment ainda está no ar”.

Medidas de austeridade

Delcídio Amaral se reunia e conversava frequentemente com Lula. Como presidente da Comissão de Assuntos Econômicos, ele estava envolvido na negociação das propostas orçamentárias no Congresso.

“A prisão de Delcídio complica a aprovação das medidas de austeridade no Congresso”, disse o senador Paulo Bauer, do PSDB, um dos partidos que respaldaram os pedidos de impeachment contra Dilma.

O Partido dos Trabalhadores divulgou nota afirmando que não vê necessidade de “nenhum gesto de solidariedade” porque as supostas ações de Delcídio Amaral não têm relação com suas atividades no partido.

O Senado se reuniu na noite de quarta-feira, 25 de novembro, para discutir a prisão de Amaral. Segundo a Constituição, os senadores podem revogar a decisão do Supremo Tribunal Federal.

Os advogados de Esteves, estão buscando informações sobre a prisão, disse Sandra Pires, sócia do escritório Rao & Pires Advogados, que faz parte da equipe que está defendendo o banqueiro. Os advogados de Bumlai informaram que ele estava “sereno e calmo” e que não tinha comentários sobre as medidas a serem tomadas em nome dele.

Após as prisões, o Congresso adiou, na quarta-feira, uma sessão conjunta que poderia votar a mudança da meta fiscal de 2015. “Não existe ambiente no Congresso para se reunir”, disse José Mendonça Filho, líder do DEM, partido de oposição, na Câmara dos Deputados.

O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, teme que os novos atrasos para aprovação do projeto de lei forcem o governo a adotar mais cortes de gastos, segundo fonte com conhecimento direto do assunto que pediu anonimato porque a discussão é privada.

O impulso dos partidos de oposição para iniciar o processo de impeachment de Dilma na Câmara perdeu força nas últimas semanas. O foco mudou para uma possível investigação contra Eduardo Cunha, presidente da Câmara e membro do PMDB, partido da base aliada do governo. O Comitê de Ética está avaliando se deve investigar as acusações de que ele aceitou propinas no escândalo de corrupção da Petrobras.

Dilma, Lula e Cunha negaram qualquer irregularidade.

Más notícias

As últimas prisões provavelmente colocarão o PT, fundado por Lula, novamente sob os holofotes. “Essa é mais uma prisão que acerta o partido do governo em cheio”, disse Randolfe Rodrigues, líder do Rede, outra legenda de oposição, no Senado.

O incidente envolvendo Amaral não é bom para ninguém, mas não vai paralisar o Congresso, disse Henrique Fontana, vice- líder do PT na Câmara. “A prisão não tem nada a ver com o governo”, disse ele. “É um assunto pessoal”.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.