Economia

Presidente do Goldman Sachs afirma não ter apostado contra clientes

O SEC acusa o Goldman Sachs e um seu empregado francês, Fabrice Tourre, de terem enganado seus clientes no início de 2007

Em texto antecipado do pronunciamento desta terça-feira na comissão do Senado, Blankfein repudia as acusações de fraude (.)

Em texto antecipado do pronunciamento desta terça-feira na comissão do Senado, Blankfein repudia as acusações de fraude (.)

DR

Da Redação

Publicado em 26 de abril de 2010 às 21h36.

Nova York, EUA - O banco americano Goldman Sachs não apostou contra o mercado imobiliário nem contra seus clientes, tendo perdido, ao contrário, 1,2 bilhão de dólares em títulos ligados ao mercado imobiliário, segundo seu presidente, Lloyd Blankfein.

Segundo o texto antecipado do pronunciamento que deverá fazer nesta terça-feira ante uma comissão do Senado, Blankfein repudia as acusações de fraude, sustentando com firmeza a legalidade das ações.

"Discordamos da queixa do SEC (o organismo regulador da bolsa americana), mas admito também que muitas pessoas podem ter dificuldade em compreender uma transação tão complicada" como a criticada, diz Blankfein em seu depoimento.

O SEC acusa o Goldman Sachs e um seu empregado francês, Fabrice Tourre, de terem enganado seus clientes no início de 2007 vendendo a eles títulos complexos ligados a ativos imobiliários de risco, sem informar que o banco de Wall Street recebia dinheiro para montar uma transação que permitia a um fundo especulativo apostar contra os mesmos papéis.

Acompanhe tudo sobre:Bancosbancos-de-investimentoCrises em empresasEmpresasEmpresas americanasEstados Unidos (EUA)Goldman SachsMetrópoles globaisNova YorkPaíses ricos

Mais de Economia

Brasil exporta 31 mil toneladas de biscoitos no 1º semestre de 2024

Corte anunciado por Haddad é suficiente para cumprir meta fiscal? Economistas avaliam

Qual é a diferença entre bloqueio e contingenciamento de recursos do Orçamento? Entenda

Haddad anuncia corte de R$ 15 bilhões no Orçamento de 2024 para cumprir arcabouço e meta fiscal

Mais na Exame