Economia

Vai faltar arroz por causa do RS? Supermercados dizem que não. Preço sobe 7,21% este ano

Dados do IBGE mostram que cereal iniciava uma queda antes da tragédia gaúcha, recuando 1,93% em abril. Mas cotação no atacado subiu em maio. Rio Grande do Sul responde por 70% da produção nacional

Chuvas no RS: enchentes podem levar a uma alta no preço do arroz (Pixabay/Reprodução)

Chuvas no RS: enchentes podem levar a uma alta no preço do arroz (Pixabay/Reprodução)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 10 de maio de 2024 às 12h59.

Tudo sobreEnchentes no RS
Saiba mais

Antes mesmo das chuvas no Rio Grande do Sul, o preço do arroz já vinha em forte alta nos últimos meses. Este ano, segundo dados divulgados nesta sexta-feira, 10, pelo IBGE, o cereal ficou 7,21% mais caro. Em março e abril, as cotações chegaram a recuar - no mês passado, a queda foi de 1,93%.

Mas isso depois de sete meses seguidos de alta. Considerando o intervalo de um ano encerrado em abril, o cereal subiu 25,46% - bem acima da inflação no período, que foi de 3,69%.

E, após o alívio em março e abril, as cotações já começam a subir no atacado, como reflexo das chuvas no Rio Grande do Sul. Em redes sociais, há relatos de supermercados limitando a compra do produto em Minas Gerais, Espírito Santo e em alguns estados do Nordeste, diante de uma procura maior dos consumidores.

A Associação Brasileira de Supermercados (Abras) afirmou que "não há risco iminente de desabastecimento de gêneros alimentícios" no país:

"A entidade está monitorando os produtos oriundos da região afetada, a exemplo do arroz, do leite, da carne suína e de frutas, e, juntamente com o governo, poderá adotar medidas adicionais, se necessário, para garantir que as famílias tenham acesso aos itens essenciais", diz o comunicado da Abras.

RS é responsável por 70% da produção de arroz no país

O Rio Grande do Sul responde por 70% da produção de arroz no país. Boa parte da safra já havia sido colhida antes da tragédia climática. Mas o impacto das inundações sobre os armazéns e as dificuldades de escoar a produção do estado para o resto do país deve afetar os preços nos próximos meses.

Por isso, o governo Lula anunciou que iria importar emergencialmente, uma tonelada de arroz. A produção no país é muito ajustada ao seu consumo, em torno de 10 milhões de toneladas por ano. Ou seja, em situações normais, o Brasil quase não compra arroz do exterior.

André Almeida, gerente do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) no IBGE, explica que o arroz vem subindo nos últimos meses tanto por conta do El Niño, que afetou a produção de alimentos no país, quanto por questões climáticas em outros países.

"A gente teve no segundo semestre do ano passado uma questão climática que afetou a Índia, uma região produtora de arroz. No ano passado, a Índia bloqueou todas as exportações do produto e isso acabou influenciando também o preço do arroz no mercado internacional. Então, tem a questão da produção interna, mas também tem esses outros fatores", afirma.

Almeida lembra que o Rio Grande do Sul é o maior produtor de arroz no país, e a recente tragédia no estado por conta do alto volume de chuvas pode acabar se refletindo na produção:

"Essas chuvas podem acabar impactando a produção desses produtos, mas como isso vai se refletir nos preços ao consumidor final a gente precisa aguardar para saber", pondera.

Antes das chuvas, a previsão era de uma safra de 7,4 milhões de toneladas de arroz no Rio Grande do Sul este ano. Segundo a consultoria Cogo Inteligência em Agronegócio, o estado já havia colhido 78% da área plantada, ou seja, restava colher 1,6 milhão de toneladas de arroz.

“As tempestades deixaram as lavouras debaixo d'água, inviabilizando as atividades de campo. Além disso, algumas estradas estão interditadas, o que também dificulta o carregamento do cereal”, afirma a consultoria, em relatório.

Os preços do arroz já começam a subir no atacado. Segundo levantamento diário feito da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz do Cepea/USP, a saca de 50kg do arroz do tipo 1 no Rio Grande do Sul – que é a referência para a cotação nacional – estava em R$ 99,15 na média da semana de 1 a 5 de abril.

Nesta semana, entre os dias 6 e 9 de maio, o preço médio foi de R$ 107,36.

Acompanhe tudo sobre:Rio Grande do SulChuvasEnchentes no RS

Mais de Economia

Lula: há possibilidade de fundo saudita investir em vários setores no Brasil

Presidente da Petrobras afirma que Lula demandou que empresa apoie o desenvolvimento do país

Agência Internacional de Energia prevê diminuição de demanda por petróleo em 2024 e 2025

PIB do G20 ganha força e cresce 0,9% no 1º trimestre de 2024, afirma OCDE

Mais na Exame