Economia

Petrobras anuncia redução nos preços do gás natural

Estatal espera que a modalidade impulsione a queda no preço médio da molécula, com acúmulo de até 35% desde 2023

Mateus Omena
Mateus Omena

Repórter da Home

Publicado em 10 de maio de 2024 às 15h23.

Última atualização em 10 de maio de 2024 às 15h40.

A Petrobras aprovou nesta sexta-feira, 10, o mecanismo de redução de preço nos contratos de venda de gás natural para as distribuidoras, com base em performance. A medida faz parte das novas modalidades comerciais para a venda de gás natural, focadas nas distribuidoras estaduais e nos consumidores.

Com esse mecanismo, dependendo dos contratos e volumes negociados, as distribuidoras poderão obter uma redução adicional de até 10% nos preços do gás, somando-se à queda já registrada de cerca de 25% no preço médio desde o início de 2023. Isso significa que a redução total pode chegar a até 35%.

Para os consumidores livres, a estatal afirmou que será disponibilizada uma nova carteira de produtos de venda em condições mais customizadas e competitivas.

Reduções

No início de maio, os preços do gás natural foran ajustados, com uma redução média de 1,5% em reais por metro cúbico (R$/m³) da molécula vendida às distribuidoras, em comparação com o início do trimestre de fevereiro-março-abril de 2024. A queda foi influenciada tanto pela redução no preço do petróleo Brent quanto pela valorização do dólar, de acordo com a Petrobras.

Por causa dessa variação, desde o começo de 2023, o preço médio da molécula vendida às distribuidoras acumulou uma redução em torno de 25%, refletindo não apenas os ajustes previstos nos contratos, mas também o impacto dos novos produtos/contratos de venda de gás natural, que são mais competitivos e entraram em vigor em janeiro de 2024.

Definição do preço do gás natural

Em um comunicado, a estatal também ressaltou que o preço final do gás natural para o consumidor não é determinado apenas pelo valor de venda da molécula, mas também pelo custo do transporte até a distribuidora, pela variedade de suprimentos de cada distribuidora, suas margens de lucro, e pelos impostos federais e estaduais.

Em relação ao GNV (gás natural veicular), a margem de lucro dos postos de revenda também compõe o preço final. Enquanto as tarifas cobradas dos consumidores são regulamentadas e aprovadas pelas agências reguladoras estaduais, de acordo com legislações e regulamentações específicas.

Acompanhe tudo sobre:PetrobrasGás e combustíveis

Mais de Economia

Indústria calçadista encerra abril com 288 mil empregos, 4,9% a menos do que abril de 2023

Profissional com mais de 60 anos recorre ao empreendedorismo para voltar ao mercado

Haddad: É preciso dar crédito à Receita para explicar MP que restringe compensação de PIS/Cofins

Etanol fica mais caro em 11 estados brasileiros, mas cai em outros 8, diz ANP

Mais na Exame