Economia

PIB cresce de 2,7% a 2,8% neste ano, prevê Delfim

Delfim Netto declarou que é importante aumento da gasolina no curto prazo, para ajudar a fortalecer o caixa da Petrobras e viabilizar seu plano de investimentos


	Delfim Netto: "Mesmo com uma alta de 10% da gasolina, o IPCA fecha este ano em 6%"
 (Wikimedia Commons/EXAME.com)

Delfim Netto: "Mesmo com uma alta de 10% da gasolina, o IPCA fecha este ano em 6%" (Wikimedia Commons/EXAME.com)

DR

Da Redação

Publicado em 10 de outubro de 2013 às 18h04.

São Paulo - O ex-ministro da Fazenda Delfim Netto acredita que o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil neste ano deva crescer de 2,7% a 2,8%, o que reforça sua avaliação de que há um "pessimismo exagerado e sempre motivos" sobre a perspectiva da economia brasileira para o médio prazo.

"Essas avaliações de que o PIB vai ser negativo no terceiro trimestre e muito fraco no quarto trimestre estão se provando não ser razoáveis", referindo-se a recentes indicadores econômicos, como as vendas de varejo de julho, que cresceram sobre junho bem acima do apontado por projeções do mercado financeiro.

Ainda em entrevista ao Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado, Delfim Netto declarou que é importante um aumento da gasolina no curto prazo, para ajudar a fortalecer o caixa da Petrobras e viabilizar seu plano de investimentos.

A estatal projeta aplicar US$ 236,7 bilhões de 2013 a 2017.

"Mesmo com uma alta de 10% da gasolina, o IPCA fecha este ano em 6%", destacou Delfim sobre o índice de inflação do sistema de metas do governo, que tem como teto 6,5% para o ano.

Acompanhe tudo sobre:economia-brasileiraEstatísticasIndicadores econômicosInflaçãoIPCAPIBPIB do Brasil

Mais de Economia

Lula diz que a fome 'existe por decisão política' e quer tirar o Brasil do Mapa da fome até 2026

Taxação global de 2% sobre super-ricos arrecadaria de US$ 200 a US$ 250 bi por ano, diz Haddad

‘Problema dos gastos no Brasil não é ter os pobres no Orçamento’, diz Simone Tebet

Plano Real, 30 anos: Gustavo Loyola e as reformas necessárias para o Brasil crescer

Mais na Exame