Economia

Para Honda, 2015 será um ano de ajustes econômicos

Presidente da Honda na América do Sul, Issao Mizoguchi, garantiu que, mesmo com perspectivas não muito boas, a empresa mantém investimentos a longo prazo


	Honda: presidente na América do Sul defendeu diversificação de estratégias de estímulo ao consumo
 (Bloomberg)

Honda: presidente na América do Sul defendeu diversificação de estratégias de estímulo ao consumo (Bloomberg)

DR

Da Redação

Publicado em 28 de outubro de 2014 às 15h28.

São Paulo - O presidente da Honda na América do Sul, Issao Mizoguchi, avaliou nesta terça-feira, 28, que o mercado automotivo deve ter em 2015 um desempenho semelhante ao de 2014, uma vez que o próximo ano será de ajustes na economia.

Ele destacou que uma possível retomada do crescimento da indústria automobilística só deve ocorrer em 2016 e dependerá das mudanças prometidas pela presidente Dilma Rousseff. O executivo se disse confiante em relação à adoção de reformas.

"2015 vai ser um ano em que a economia vai ter que tomar alguns remédios", afirmou durante entrevista à imprensa no Salão Internacional do Automóvel.

Segundo ele, a principal mudança a ser adotada deve ser a retomada dos investimentos em infraestrutura e logística, bem como ajustes nas políticas de juros e de combate à inflação.

Mizoguchi garantiu que, mesmo com perspectivas não muito boas, a Honda mantém os investimentos a longo prazo, embora não revele números. "O potencial do mercado brasileiro continua fantástico", disse.

Mizoguchi defendeu ainda que é preciso diversificar as estratégias de estímulo ao consumo.

De acordo com ele, o fim da redução do IPI no fim deste ano deve ter um impacto nas vendas a partir de 2015, provocando um aumento de 2% no valor total dos automóveis.

Ele avaliou também que hoje o crédito está restrito, mesmo com as medidas de incentivo do Banco Central, pois faltam condições melhores para os bancos emprestarem.

O executivo ponderou, contudo, que o volume de crédito não tem impacto grande na venda de automóveis Honda, ao contrário do que ocorre no segmento de motos da marca.

Acompanhe tudo sobre:AutoindústriaDesempenhoeconomia-brasileiraEmpresasEmpresas japonesasgestao-de-negociosHondaIndústriaIndústrias em geralMontadoras

Mais de Economia

Brasil tem déficit em conta corrente de US$ 4 bi em junho, mostra Banco Central

Arrecadação federal cresce 11,02% em junho e chega a R$ 208,8 bilhões

Plano Real, 30 anos: Carlos Vieira e o efeito desigual da hiperinflação no povo

IPCA-15 de julho fica em 0,30%; inflação acumulada de 12 meses vai a 4,45%

Mais na Exame