Economia

Opinião: Hidrogênio para a Neoindustrialização

Produção de hdrogênio a partir de fontes renováveis pode consolidar protagonismo do Brasil na nova economia

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 14 de junho de 2024 às 10h08.

Por Deputado Arnaldo Jardim*

A produção de Hidrogênio a partir de fontes renováveis pode consolidar o protagonismo do Brasil na nova economia: A Economia de Baixo Carbono. No último dia 03, o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, anunciou, como prioridade, no segundo semestre, a pauta de Desenvolvimento Verde, que inclui a regulação das Eólicas Offshore, o Mercado de Carbono e o marco regulatório do Hidrogênio de baixo carbono, considerado o vetor energético do futuro e a principal estratégia de descarbonização da economia mundial.

A regulamentação do Hidrogênio vem sendo objeto de análise nas duas Casas do Congresso Nacional, após a apresentação dos Projetos de Lei nº 725/22 e nº 1878/22, no Senado Federal, e dos Projetos de Lei nº 2308/23 e nº 3452/23, na Câmara dos Deputados, onde, inclusive, foi criada a Comissão Especial de Transição Energética e Produção de Hidrogênio Verde – CEENERGIA, da qual sou presidente e cuja principal tarefa é a elaboração uma legislação para o setor.

O Plano de Trabalho da CEENERGIA prevê a realização de 13 Audiências Públicas com a participação de representantes de governo, de universidades, de centro de pesquisa e entidades do setor produtivo, bem como de 6 Mesas Redondas nos estados, para que os membros da Comissão possam visitar projetos de produção de H2 em desenvolvimento. Já realizamos 3 Audiência Públicas e as contribuições recebidas reforçam a importância de ouvir todos os segmentos que possam ser impactados por essa legislação.

Destaco, por exemplo, a virtuosidade das fontes renováveis, eólica e solar, na produção do hidrogênio por meio da eletrólise, especialmente no nordeste brasileiro – o Brasil tem vantagens competitivas e comparativas competitivas para competir no mercado internacional. Mas não podemos nos esquecer do potencial de produção de H2 a partir da biomassa, principalmente com a utilização dos resíduos da indústria sucroenergética, cujo custo de produção tem se mostrado mais competitivo quando comparado a outras rotas tecnológicas.

É importante ressaltar que, nesse processo de transição, o uso de infraestrutura existente será muito relevante para o desenvolvimento desse mercado. As centenas de “biorrefinarias” existentes no país serão fundamentais para fomentar a nova economia do hidrogênio e sua cadeia de suprimentos.

Estou consolidando minha convicção em relação aos caminhos que precisamos trilhar para colocar essa indústria de pé. Certamente, podemos produzir hidrogênio para exportar – a União Europeia será um grande consumidor-, mas o H2 precisa ser utilizado na descarbonização dos nossos processos produtivos, a chamada neoindustrialização. O primeiro desafio, entretanto, será induzir uma demanda crescente, por meio, por exemplo, do Aço Verde, da Mobilidade Sustentável e da Amônia Verde.

A propósito, a produção de amônia verde parece ser uma solução adequada para um país que tem, no agronegócio, ¼ de suas receitas. Além de reduzir a dependência internacional dos fertilizantes nitrogenados, podemos tornar o agro ainda mais sustentável. A amônia Verde pode ser a porta de entrada do Brasil na economia de hidrogênio.

O PL 2308/23, apreciado em novembro de 2023 na Câmara dos Deputados - CD, foi aprovado na tarde de ontem, dia 12/06, na Comissão Especial para Debate de Políticas Públicas sobre Hidrogênio Verde (CEHV) do Senado Federal - SF. A proposição será ainda analisada pelo Plenário do SF e retorna à CD para então, se aprovada, ser encaminhada à sansão presidencial.

De antemão, destaco que as alterações nas definições propostas na CEHV, como do Hidrogênio Renovável, serão objeto de análise detalhada, bem como a introdução do conceito de Hidrogênio Verde, que não existia no texto aprovado na CD.

A introdução das subvenções propostas para a comercialização do H2 de baixa emissão foi muito bem recebida por todos, pois além de dar uma sinalização positiva quando ao incentivo do Brasil à indústria do Hidrogênio, limita o montante de recurso e o impacto no orçamento.

Uma das matrizes energéticas mais limpas do mundo. Um dos programas mais bem sucedidos de substituição de combustíveis fósseis. E agora, um dos maiores produtores de hidrogênio de baixo carbono.

É o Brasil se consolidando como protagonista dessa nova economia.

*Arnaldo Jardim é deputado federal e presidente da Comissão Especial de Transição Energética e Produção de Hidrogênio

Acompanhe tudo sobre:Hidrogênio verdebioeconomiaSustentabilidadeCongresso

Mais de Economia

Governo Milei anuncia venda de dólares no câmbio paralelo argentino

Argentina volta a ter alta de inflação em junho; acumulado de 12 meses chega a 271,5%

Com alíquota de 26,5%, Brasil deve ter um dos maiores IVAs do mundo; veja ranking

Haddad declara ser favorável à autonomia financeira do Banco Central

Mais na Exame