Nova onda de covid-19 ameaça ritmo de recuperação global

Aceleração liderada pelos números crescentes de casos na Índia, Argentina, Turquia e Brasil pode dividir ainda mais a economia mundial entre ricos e pobres

A nova onda de covid-19 ameaça dividir ainda mais a economia mundial entre ricos e pobres, potencialmente atrasando o crescimento global se os novos surtos se espalharem ou se as principais fontes de demanda secarem.

Mais pessoas foram diagnosticadas com covid-19 na semana passada do que em qualquer outra desde o início da pandemia. A Organização Mundial da Saúde alertou esta semana que os novos casos se aceleram em todas as regiões, exceto na Europa, liderados pelos números crescentes na Índia, Argentina, Turquia e Brasil.

Essas ondas colocam em risco a até então forte recuperação econômica global, porque o fracasso em controlar o coronavírus ou distribuir vacinas uniformemente pode levar a novas variantes, primeiro em mercados emergentes e depois em países desenvolvidos que estavam conseguindo desacelerar a pandemia.

Mesmo que isso não aconteça, uma recuperação em duas velocidades pode afetar até países imunizados, porque limitaria a demanda estrangeira por seus produtos e desestabilizaria as cadeias de suprimento. O Fundo Monetário Internacional (FMI) disse no mês passado que a recuperação pode perder um impulso de US$ 9 trilhões até 2025, a menos que os esforços para acabar com a crise de saúde sejam acelerados.

Sinais preocupantes. Novas infecções atingem recorde no mundo, apesar de vacinação Sinais preocupantes. Novas infecções atingem recorde no mundo, apesar de vacinação

Sinais preocupantes. Novas infecções atingem recorde no mundo, apesar de vacinação (Universidade Johns Hopkins/Bloomberg)

Economias emergentes e em desenvolvimento respondiam por cerca de 65% do crescimento global antes da pandemia e aproximadamente 86% da população mundial. O Banco Mundial disse esta semana que esses países devem se preparar para a possibilidade de desaceleração da retomada econômica. O aquecimento da atividade na Índia - a sexta maior economia do mundo - é ameaçado por novas restrições de mobilidade entre províncias para conter a nova onda que superou 200 mil casos por dia na última semana.

O FMI prevê que a economia mundial expandirá 6% neste ano

O FMI prevê que a economia mundial expandirá 6% neste ano (Fundo Monetário Internacional/Bloomberg)

“O novo aumento de casos representa um banho de realidade para a economia mundial, pois está claro que a pandemia está longe de terminar”, disse Tuuli McCully, chefe de economia da Ásia-Pacífico no Scotiabank. “Muitas economias de baixa renda continuam enfrentando sérios desafios relacionados à covid-19 e têm um longo caminho pela frente antes de voltarem à ‘normalidade’.”

Mais de 944 milhões de vacinas foram administradas em 170 países, de acordo com dados coletados pela Bloomberg - doses suficientes para 6,2% da população global. Mas a distribuição é desigual, pois o ritmo de vacinação em países de renda mais alta é cerca de 25 vezes mais rápido do que em nações com renda mais baixa.

“Vejo isso como uma corrida entre as mutações do vírus e a distribuição de vacinas”, disse Rob Subbaraman, chefe de pesquisa de mercados globais da Nomura Holdings. “Muitas pessoas não sabem que, embora se acredite que a gripe espanhola de 1918 começou nos Estados Unidos e então se espalhou para a Europa, no final os países que mais sofreram foram os mercados emergentes. É um sinal sinistro de que a história se repete.”

Assine a EXAME e acesse as notícias mais importante em tempo real.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também