Mantega diz que missão em 2012 é reduzir custo financeiro

Outra prioridade para o próximo ano é permitir maior crescimento do consumo, afirmou o ministro da Fazenda

Brasília - Uma das missões da equipe econômica em 2012 é reduzir o custo financeiro no Brasil e permitir maior crescimento do consumo, disse hoje o ministro da Fazenda, Guido Mantega. Segundo ele, o crédito para a população ainda é alto, embora a taxa real de juros, que desconta a inflação, esteve abaixo de 4,5% ao ano. O ministro não quis antecipar, no entanto, se a alteração no custo financeiro significa redução ainda maior do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF).

“Em relação ao crédito, o que temos a reclamar é o custo financeiro elevado. Então, é uma missão, para o próximo ano, reduzir o custo do crédito. Quando baixarem as taxas, o consumo irá crescer mais, com prestações menores, e permitirá à população a aquisição de novos bens ”, destacou o ministro.

Em relação à crise global, ele informou que o cenário favorece o crédito e os juros. Isso porque, na avaliação de Mantega, com um crescimento menor no mundo e a redução de pressões inflacionárias, será possível praticar taxas reduzidas no mercado financeiro. “Na crise, os juros costumam ser menores. Essa é a tendência e favorece a queda dos juros”, informou.

Sobre o crescimento da economia em 2011, Guido Mantega, avaliou que a crise econômica global reduziu “um pouco o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) no Brasil , de 0,5% ponto percentual a 1% ponto percentual. Assim, a economia brasileira deverá crescer até 3,5% neste ano, pouco mais do que estima o Banco Central (3%). No ano que vem, o Ministério da Fazenda espera um crescimento entre 4% e 5%. “Mesmo porque nós já administramos uma parte dos impactos da crise. A previsão do Banco Central é mais precisa no que diz respeito à inflação. Eles [BC] são menos precisos em relação ao crescimento. Nós usamos variáveis diferentes.”, disse.

Segundo Mantega, a preocupação do BC tem mais a ver com o cenário de inflação, e o Ministério da Fazenda destaca o crescimento da economia em um cenário que terá que ser utilizado ao estabelecer parâmetros para as contas públicas, para o Orçamento da União. “Sou mais o cenário nosso. Calculamos 4% se a situação internacional ficar complicada. Mesmo assim, com a esperança que os europeus consigam resolver os seus problemas”, destacou.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.