Maduro substitui ideólogo econômico do governo Chávez

Reestruturação tira o Ministério das Finanças de Jorge Giordani, um dos mentores dos complexos controles cambiais e de preços

Caracas - O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou no domingo uma ampla reestruturação de gabinete que tira o Ministério das Finanças de Jorge Giordani, um dos mentores dos complexos controles cambiais e de preços aplicados há uma década no país.

Maduro, que tomou posse na sexta-feira para governar até 2019, alterou o ministério em meio a uma crise causada pelas denúncias oposicionistas de fraude na eleição presidencial deste mês.

O substituto de Giordani será Nelson Merentes, que dirigia o Banco Central e ocupará também a nova vice-presidência econômica.

"Tenho grande confiança em Nelson Merentes, nos conhecemos há muitos anos... Vamos fortalecer o Cadivi, a Sicad e todos os mecanismos que forem necessários", disse Maduro, citando órgãos envolvidos no rigoroso controle de divisas no país.

Giordani, um reservado acadêmico marxista e um peso pesado na administração do ex-presidente Hugo Chávez, agora se dedicará exclusivamente à pasta do Planejamento.

Apelidado de "Monge" por sua dedicação ao trabalho e por seu estilo austero, ele foi um dos mentores econômicos do chavismo. "Ninguém acha que o modelo mudou, mas enfraquecer Giordani é positivo (para a iniciativa privada)", escreveu Asdrúbal Oliveros, diretor da consultoria Ecoanalítica.

Na reforma ministerial, foi mantido Rafael Ramírez como ministro de Petróleo e Mineração, um cargo que controla 90 por cento das divisas estrangeiras que entram na economia local por intermédio da estatal petrolífera PDVSA.

Maduro fez 17 mudanças em 31 ministérios, o que contrasta com o estilo do seu padrinho político Chávez, que sempre fazia mudanças homeopáticas e preferia as trocas de posições. "Queremos um governo mais socialista, mais humano", afirmou o presidente.

Pelo Twitter, o candidato derrotado na eleição presidencial, Henrique Capriles, ironizou a reforma ministerial, dizendo que a troca de cargos entre funcionários acusados de serem ineficientes ou corruptos é "mais do mesmo".

Maduro nomeou vários comandantes militares para secretarias de Estado e agradeceu ao apoio que lhe foi dado pelas Forças Armadas desde que Chávez, morto no mês passado vítima de câncer, o indicou como seu herdeiro político.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.