Inflação sobe 10,3% entre países da OCDE em agosto

Índice reflete crise no setor de energia e avançou em países como Alemanha e Itália, recuando em outros como França e Estados Unidos
OCDE: índice recuou em 16 dos 38 países membros entre julho e agosto como resultado de aumentos mais lentos nos preços de energia. (Antoine Antoniol/Bloomberg)
OCDE: índice recuou em 16 dos 38 países membros entre julho e agosto como resultado de aumentos mais lentos nos preços de energia. (Antoine Antoniol/Bloomberg)
A
Agência O GloboPublicado em 04/10/2022 às 10:43.

A inflação entre os membros da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) se manteve estável em agosto, alcançando 10,3%, depois de ter ficado em 10,2% e 10,3% em julho e junho, respectivamente, informou a entidade na manhã desta terça-feira.

O índice recuou em 16 dos 38 países membros entre julho e agosto como resultado de aumentos mais lentos nos preços de energia.

Juros, dólar, inflação, BC, Selic. Entenda todos os termos da economia. Assine a EXAME 

Apesar disso, 15 países mantiveram seus índices de inflação em patamares recordes em agosto. Estônia, Letônia, Lituânia e Turquia estão no topo dessa lista, com taxas superiores a 20%.

A inflação para os preços de energia recuou para 30,2% em agosto na comparação anual, ante 35,3% no mês anterior, com desaceleração registrada em 60% dos países que integram a OCDE.

A inflação dos alimentos e o índice que mede a alta de preços excluindo alimentos e energia, no entanto, seguem em trajetória de alta.

Nos países do G7, a inflação alcançou 7,5%.

Países em que o índice registrou queda foram Canadá, França, Reino Unido e Estados Unidos, em consequência a uma redução no ritmo de aumento de preços de energia. De outro lado, houve alta em Alemanha, Itália e Japão.

Na zona do euro, a inflação em 12 meses alcançou 9,1% em agosto, subindo dos 8,9% registrados em julho, na medida em que a alta na inflação dos alimentos e da energia mais do que compensou a desaceleração dos preços no setor de energia.

A Eurostat divulgou estimativas de uma alta recorde de inflação para a zona do euro em setembro, de 10%. Mesmo excluindo alimentos e energia, o índice fica em 4,8%, acima dos 4,3% registrados em agosto.

Já entre os países do G20, a inflação ficou em 9,2% em agosto, estável pelo terceiro mês consecutivo.

Fora dos membros da OCDE, o índice subiu em Argentina, Índia e Arábia Saudita, apresentando recuo em Brasil, China, Indonésia e África do Sul.