Economia

Goldman Sachs não apostou contra próprios clientes, diz presidente

O Goldman foi acusado pela Securities and Exchange Commission (SEC) de fraude contra seus investidores

EXAME.com (EXAME.com)

EXAME.com (EXAME.com)

DR

Da Redação

Publicado em 26 de abril de 2010 às 18h58.

Nova York - O presidente-executivo do Goldman Sachs Group, Lloyd Blankfein, disse em testemunho preparado para uma audiência no Senado nesta terça-feira que sua empresa não teve uma "posição a descoberto expressiva" e contra o mercado imobiliário e que "com certeza, não apostamos contra nossos próprios clientes".

O Goldman foi acusado pela Securities and Exchange Commission (SEC) de fraude contra seus investidores ao não informar que um importante gerente de hedge fund teria apostado contra um produto da dívida subprime do Goldman que ela próprio havia ajudado a criar.

"Somos uma instituição que preza o cliente há 140 anos, e se nossos clientes acreditam que não merecemos sua confiança, nós não podemos sobreviver", disse Blankfein, que, junto com outros executivos do Goldman Sachs, deve depor no subcomitê permanente de Investigações do Senado norte-americano nesta terça-feira.

Blankfein afirmou que o dia de 16 de abril, data que a SEC formalizou suas acusações, foi "um dos piores dias de minha vida profissional".

Em seu testemunho, Blankfein afirmou que o Goldman teve um prejuízo de 1,2 bilhão de dólares com atividades no mercado imobiliário residencial durante os dois anos da crise financeira.

"O fato que não estivemos nem consistentemente nem expressivamente com uma posição líquida a descoberto com produtos relativos a hipotecas residenciais confirma isso".

Blankfein disse ainda que o tanto o Goldman como outros bancos, agências de rating e reguladores não conseguiram perceber "que havia muitos empréstimos e muita alavancagem no sistema --que o crédito ficou muito barato".

Ele também pediu mais transparência nos mercados de derivativos.

Acompanhe tudo sobre:Bancosbancos-de-investimentoCrises em empresasEmpresasEmpresas americanasEstados Unidos (EUA)Goldman SachsMetrópoles globaisNova YorkPaíses ricos

Mais de Economia

FGTS tem lucro de R$ 23,4 bi em 2023, maior valor da história

Haddad diz que ainda não apresentou proposta de bloqueio de gastos a Lula

FMI confirma sua previsão de crescimento mundial para 2024 a 3,2%

Novos dados aumentam confiança do Fed em desaceleração da inflação, diz Powell

Mais na Exame