Economia

Petrobras: novo modelo de venda a distribuidoras deve reduzir preço do gás em até 10%

Medida afeta gás de cozinha encanado e o vendido em postos de combustíveis para carros

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 11 de maio de 2024 às 09h04.

Tudo sobrePetrobras
Saiba mais

A Petrobras anunciou a criação de novas modalidades comerciais para a venda de gás natural para as distribuidoras estaduais, como a Naturgy, ex-Ceg, no Rio, e Comgás, em São Paulo.

Sem dar detalhes, a estatal disse que vai criar para as distribuidoras “um novo mecanismo” de preço. Esse novo critério pode permitir uma redução adicional de até 10% nos valores da molécula de gás que são cobrados hoje pela estatal.

Analistas de mercado e fontes do setor acreditam que a Petrobras vai na prática ampliar o leque de opções de venda de gás às empresas. Atualmente, a estatal oferece às distribuidoras de gás contratos de 5, 7, 9 e 11 anos, lembra Bruno Armbrust, da ARM consultoria.

Assim, quanto mais longo o contrato menor é o valor da molécula de gás que é cobrado pela estatal. Além disso, esses contratos passam por reajustes trimestrais para se adequar ao câmbio e ao preço do barril do petróleo. Há ainda um outro reajuste anual.

— É preciso conhecer os detalhes. De qualquer maneira, é uma boa sinalização a Petrobras baixar os preços. Embora não haja informações, as mudanças podem envolver prazo maior que 11 anos ou fornecimento não firme de menor prazo — explica Armbrust, lembrando que a estatal cobra pela molécula hoje de 11,9% a 14% do preço do barril do petróleo.

Outro especialista lembra que a estatal pode oferecer ainda preços menores em caso de aumento do volume contratado pela distribuidora de gás, por exemplo. Desde janeiro, a queda no preço da molécula vendida pela estatal às distribuidoras já chega a 25%. Para que a redução adicional de 10% chegue ao consumidor final, as distribuidoras precisam aderir às novas contratações.

Os novos modelos de precificação de gás anunciados pela estatal valem apenas para o gás de cozinha encanado e o gás veicular. O gás de botijão (GLP) não faz parte. Além do preço da molécula vendida pela Petrobras, o preço final do gás tem ainda o custo do transporte, a margem de lucro das empresas distribuidoras e os tributos federais e estaduais.

Em comunicado, a Petrobras informou também que vai ofertar novas modalidades para vender o gás de forma “mais customizada e competitiva” para as empresas que compram energia no mercado livre. O objetivo é aumentar sua presença como fornecedora entre as grandes empresas que vêm recorrendo a diversas fontes para gerar sua própria energia, dizem especialistas.

— A Petrobras fala que a nova política seria extensiva ao mercado livre. Isso pode ser uma estratégia da empresa para evitar perder mercado para outras empresas — destaca Armbrust.

Armbrust lembra que é importante atualizar as regras do mercado de livre para as distribuidoras de gás poderem escolher os fornecedores.

— Elas poderiam descontratar o volume e migrar para o mercado livre. É a única forma dos consumidores se beneficiarem, mas isso ainda depende das agências reguladoras estaduais.

Acompanhe tudo sobre:Petrobras

Mais de Economia

Situação fiscal não será 'muleta' para não perseguir a meta de inflação, diz Galípolo

Análise: Sem ajuste fiscal, ritmo de alta das expectativas de inflação é o que importa para o BC

Arrecadação federal bate novo recorde e chega a R$ 202,9 bilhões em maio

Ata do Copom: sem ajuste fiscal, cenário de inflação desafiador em 2025 exige juro alto

Mais na Exame