Fernández diz que prazo para negociação sobre dívida pode ser prorrogado

Argentina e credores estão se aproximando de um acordo para reestruturar a dívida, que se tornou insustentável após dois anos seguidos de recessão

O presidente argentino, Alberto Fernández, disse nesta quarta-feira que o prazo para as negociações de reestruturação da dívida, que deve expirar na sexta-feira, provavelmente será prorrogado por pelo menos dez dias e possivelmente mais, já que o país pretende fechar um acordo com os credores.

Em entrevista à emissora Radio 10, o peronista de centro-esquerda acrescentou que o país, atingido por uma recessão, precisa finalmente chegar a um acordo com os detentores de cerca de 65 bilhões de dólares em dívida externa argentina, embora isso possa levar mais tempo.

“Está claro que a Argentina precisa chegar a um acordo com os credores. Está claro que os credores não aceitaram nossa oferta, e a Argentina vai melhorar sua oferta”, disse Fernández, acrescentando que se encontrará com o ministro da Economia, Martin Guzmán, para discutir detalhes.

Perguntado se o prazo de sexta-feira poderia ser prorrogado novamente, ele disse que será e apontou que uma negociação de reestruturação anterior em 2005 havia levado a maior parte de um ano.

“Sim (pode ser prorrogado), dez dias ou mais. Não sei. Estamos em negociação”, afirmou.

A Argentina e seus detentores de títulos estrangeiros estão se aproximando de um acordo para reestruturar a dívida soberana, que se tornou insustentável após dois anos seguidos de recessão que aumentou os custos dos empréstimos e fez a moeda local, o peso, despencar.

A diferença entre o que a Argentina está disposta a pagar e o que os detentores de títulos estão exigindo diminuiu nos últimos meses, ajudando a impulsionar os títulos do país, que no ano passado operaram sob forte tensão em meio a temores sobre a economia.

Chegar a um acordo é essencial para evitar um confuso impasse legal que poderia bloquear a Argentina dos mercados internacionais por anos depois de o país se tornar inadimplente pela nona vez em maio, quando perdeu o prazo para pagamento de juros de três títulos.

A Argentina também está em negociações com o Fundo Monetário Internacional (FMI), importante credor do país, para renovar uma linha de crédito de 57 bilhões de dólares acertada em 2018 sob o governo anterior de Mauricio Macri.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.

Você já leu todo conteúdo gratuito deste mês.

Assine e tenha o melhor conteúdo do seu dia, talvez o único que você precise.

Já é assinante? Entre aqui.

Plano mensal Revista Digital

Plano mensal Revista Digital + Impressa

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis

R$ 15,90/mês

R$ 44,90/mês

Plano mensal Revista Digital

Acesse ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

ASSINE

Plano mensal Revista Digital + Impressa

Acesse ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças + Edição impressa quinzenal com frete grátis.

ASSINE