EUA: Salários abaixo do esperado pesam; dólar apresenta recuo generalizado

Taxa de desemprego passou de 3,8% para 4,0% e o salário médio por hora subiu 0,19% na passagem de maio para junho

São Paulo - O relatório de emprego dos Estados Unidos encobriu os conflitos comerciais do país com a China e proporcionou recuo generalizado do dólar. O ganho salarial abaixo da expectativa de analistas e a alta inesperada da taxa de desemprego proporcionaram a avaliação de pouca pressão na inflação salarial, o que colabora com a continuidade da visão de aumentos graduais nas taxas de juros pelo Federal Reserve (Fed, o banco central americano).

Próximo ao horário de fechamento das bolsas em Nova York, o dólar recuava para 110,43 ienes, o euro subia para US$ 1,1744 e a libra avançava para US$ 1,3272. Já o índice DXY, que mede a moeda americana contra uma cesta de outras seis divisas fortes, fechou em baixa de 0,46%, para 94,036 pontos.

O Departamento do Trabalho dos EUA divulgou nesta sexta-feira que a economia do país criou 213 mil novos postos de trabalho no mês passado, acima do esperado pelo mercado (+195 mil). No entanto, outros dois indicadores frustraram as estimativas de analistas: a taxa de desemprego passou de 3,8% para 4,0% e o salário médio por hora subiu 0,19% na passagem de maio para junho, enquanto analistas projetavam ganho de 0,3%. Analistas do Goldman Sachs minimizaram a subida do desemprego, ao afirmarem que houve maior participação da força de trabalho, que se recuperou para 62,9%, próximo da banda superior da faixa entre 62,6% e 63,0% dos últimos dois anos e meio.

No entanto, o ganho salarial abaixo do esperado corrobora a visão de dirigentes do Fed, de acordo com a ata da reunião de política monetária de junho, de que os salários ainda apresentam avanço moderado. O documento, divulgado na quinta-feira, mostrou, ainda, que os dirigentes comentaram que algumas distritais já viam empresas lidando com escassez de mão de obra e aumentando salários e benefícios para atrair ou reter trabalhadores, o que deu esperanças quanto aos ganhos salariais referentes a junho.

"O indicador de salário médio por hora mais baixo chamou mais atenção porque destaca um ambiente de inflação salarial ainda morno", disse Audrey Childe-Freeman, estrategista-chefe da consultoria FX Knowledge. "Isso pode fazer com que alguns participantes do mercado comecem a questionar se veremos dois aumentos na taxa dos Fed funds no segundo trimestre", disse. De acordo com os contratos futuros dos Fed funds, compilados pelo CME Group, 52% dos investidores veem ao menos mais duas elevações nos juros em 2018.

No cenário comercial, os EUA efetivaram a aplicação de tarifa de 25% sobre US$ 34 bilhões em produtos chineses, o que garantiu retaliação em igual tom pela China. Pequim respondeu ao comentar que Washington deu o pontapé inicial à "maior guerra comercial da história econômica". No entanto, com as ações já precificadas pelos investidores, o relatório de empregos dos EUA acabou falando mais alto nesta sexta-feira.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.