Enel Green Power estuda hidrelétricas da Cemig

O leilão das 4 usinas, que somam 2,9 gigawatts em capacidade instalada, terá como vencedor quem oferecer o maior bônus de outorga pelas concessões

São Paulo - A unidade brasileira da elétrica italiana Enel Green Power, do grupo Enel , tem estudado as quatro hidrelétricas da mineira Cemig cuja concessão o governo federal pretende licitar no próximo mês, dado o vencimento do contrato de exploração dos empreendimentos pela empresa, segundo documento visto pela Reuters.

O leilão das usinas de Miranda, São Simão, Jaguara e Volta Grande, que somam 2,9 gigawatts em capacidade instalada, terá como vencedor quem oferecer o maior bônus de outorga pelas concessões. A União espera arrecadar 11 bilhões de reais no processo.

A Enel Green Power foi uma das vencedoras no primeiro leilão de usinas já em operação realizado pelo governo brasileiro, no final de 2015. Na época, a empresa pagou um bônus de outorga de 160,7 milhões de reais para ficar com a concessão de duas hidrelétricas que antes pertenciam à paranaense Copel.

Agora, a Enel Green Power Brasil tem avaliado as usinas da Cemig. A empresa acessou o data-room criado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) com informações sobre os empreendimentos e ainda pediu mais informações ao regulador.

Em documento visto pela Reuters, a elétrica pede dados extras sobre questões ambientais e fundiárias das quatro hidrelétricas da Cemig e afirma que essas informações são necessárias "para subsidiar as análises técnicas e econômicas dos empreendimentos ofertados".

Procurada pela Reuters, a Enel respondeu por meio de um porta-voz que "está sempre em busca de possíveis oportunidades que possam aparecer no Brasil, incluindo no setor renovável, mas não há atualmente detalhes a serem abertos sobre ativos específicos".

A Engie Brasil Energia, do grupo francês Engie, também disse recentemente que avalia disputar a licitação das usinas da Cemig.

O leilão, no entanto, está suspenso no momento, devido a uma liminar judicial.

A Cemig tem tentado convencer a União a não licitar as usinas, mas representantes do governo têm dito que a empresa precisará pagar os 11 bilhões em bônus para permanecer com os ativos.

As hidrelétricas de São Simão, Jaguara, Miranda e Volta Grande representam quase 50 por cento do parque gerador da companhia mineira, que tem buscado meios de garantir ao governo que conseguirá pagar o valor exigido, a fim de evitar a venda das concessões a terceiros.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.