Economia

Emergentes devem ter mais poder no FMI, diz Geithner

Secretário do Tesouro dos EUA disse que o país apoia o pedido dos emergentes por mundanças na instituição

Timothy Geithner, secretário do Tesouro dos EUA: americanos vão apoiar aumento de participação dos emergentes no FMI (.)

Timothy Geithner, secretário do Tesouro dos EUA: americanos vão apoiar aumento de participação dos emergentes no FMI (.)

DR

Da Redação

Publicado em 24 de abril de 2010 às 15h46.

Washington - As economias emergentes deveriam ter mais voz em instituições financeiras globais, tomando parte do espaço ocupado pelos países ricos, disse neste sábado o secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Timothy Geithner.

Em um discurso para o Fundo Monetário Internacional (FMI), Geithner repetiu o apelo para que as economias em desenvolvimento a adotar políticas cambiais orientadas pelo mercado e afirmou que os EUA dariam apoio ao pedido dos emergentes por mais poder no FMI.

"Nós apoiamos uma redução no tamanho no Conselho que preserve o número atual de nações em desenvolvimento e as cadeiras dos países emergentes, incluindo uma mudança em todos os postos elegíveis", disse Geithner.

O esforço atual para reformar as cotas dentro do FMI "não basta" em relação ao que é necessário para dar uma voz adequada aos países em desenvolvimento.

 

Acompanhe tudo sobre:BricsEstados Unidos (EUA)FMIPaíses ricos

Mais de Economia

Corte anunciado por Haddad é suficiente para cumprir meta fiscal? Economistas avaliam

Qual é a diferença entre bloqueio e contingenciamento de recursos do Orçamento? Entenda

Haddad anuncia corte de R$ 15 bilhões no Orçamento de 2024 para cumprir arcabouço e meta fiscal

Mais na Exame