É hora de repensar cortes de gastos na eurozona, diz OCDE

Segundo organização, zona do euro deve ser mais flexível nos profundos cortes de gastos do governo, mas continuar o caminho de reforma

Bruxelas - A zona do euro deve ser mais flexível nos profundos cortes de gastos do governo, mas continuar o caminho de reforma, afirmou a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) nesta terça-feira, somando sua voz àqueles que pedem por um afrouxamento do corte de custos que eles veem como asfixiando as economias.

Cortes orçamentários são o centro da estratégia da zona do euro para superar a crise da dívida pública de três anos, mas desde que o bloco caiu novamente em recessão este ano, as autoridades estão começando a questionar a sabedoria de tal redução agressiva de déficit.

Contra um cenário de desemprego recorde e greves pela Europa neste mês, a OCDE afirmou em relatório que os cortes de gastos simultâneos em quase todos os países da zona do euro pioraram a crise.

O órgão pede agora que aqueles países que tenham capacidade, como a Alemanha, estejam preparados para aumentar os gastos para ajudar o crescimento.

"Nós reconhecemos que uma das causas da desaceleração é o aperto fiscal", afirmou à Reuters o economista-chefe da OCDE, Pier Carlo Padoan.

"Se a situação se deteriorar ainda mais, esses países com espaço fiscal devem usá-lo, possivelmente acrescentando algum estímulo ou mais afrouxamento discricionário se necessário", disse ele, destacando a Alemanha na zona do euro e a China.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.