Com lance de R$ 85,271 mi, Celeo leva lote 2 em leilão

Quantia oferecida corresponde a um deságio de 53,21% em relação à RAP máxima
Energia: outros 9 grupos nacionais e estrangeiros apresentaram oferta pelo empreendimento (Agência Brasil/Arquivo)
Energia: outros 9 grupos nacionais e estrangeiros apresentaram oferta pelo empreendimento (Agência Brasil/Arquivo)
Por Luciana Collet e Leticia Fucuchima, do Estadão ConteúdoPublicado em 15/12/2017 13:56 | Última atualização em 15/12/2017 13:56Tempo de Leitura: 2 min de leitura

São Paulo - A Celeo Redes Brasil, novo nome da espanhola Elecnor Transmissão de Energia, conquistou o lote 2 do leilão de transmissãoque acontece nesta sexta-feira, 15, na sede da B3, em São Paulo.

A empresa ofereceu R$ 85,271 milhões de receita anual permitida (RAP), o que corresponde a um deságio de 53,21% em relação à RAP máxima definida pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), de R$ 182.271.930,00.

A empresa venceu a disputa viva-voz com os indianos da Sterlite Power Grid, que chegou a oferecer R$ 86,271 milhões (deságio de 52,66%), Neoenergia (deságio de 49,06%), EDP (deságio de 30,49%).

Na primeira etapa do leilão por este lote, outros 9 grupos nacionais e estrangeiros apresentaram oferta pelo empreendimento, como Taesa (com lance com deságio de 22,29%), Energisa (deságio de 38,49%),a indiana Adami (deságio de 35%), entre diversos consórcios.

O lote 2 é composto pela linha de transmissão de 500 kV Parnaíba III - Tianguá II, com 111 quilômetros, e pelas linhas de 230 kV Acaraú II - Acaraú (1 quilômetro), Ibiapina II - Tianguá II (26 quilômetros), Ibiapina II - Piripiri (80 quilômetros), Piripiri - Teresina III (148 quilômetros), além das subestações Tianguá II, Parnaíba e Acaraú III e de trechos de interconexão entre os ativos, localizados entre os Estados do Piauí e do Ceará.

As instalações devem consumir R$ 1,04 bilhão em investimentos e devem entrar em operação em março de 2023.