A página inicial está de cara nova Experimentar close button
Conheça o beta do novo site da Exame clicando neste botão.

Choque da cadeia de suprimentos da China agora é global

Medidas para conter o surto de coronavírus atingem desde minas de cobre no Peru até fabricas no coração industrial da Alemanha

As cadeias de suprimentos globais enfrentam uma paralisação de ponta a ponta diferente de qualquer outra nos tempos de paz modernos, já que medidas para conter o surto de coronavírus atingem desde minas de cobre no Peru até fabricas no coração industrial da Alemanha.

Nos últimos dias, a crise na cadeia de suprimentos que começou no início deste ano com fábricas chinesas se espalhou por setores importantes em outros lugares que haviam amenizado o impacto até agora. As paralisações contribuem para a crescente convicção de que o mundo enfrenta a primeira recessão desde a crise financeira, ocorrida há mais de uma década.

“Este é um tipo de desastre natural contínuo”, disse Ethan Harris, chefe de pesquisa econômica global do Bank of America. “Em termos de impacto na produção global, a paralisação fora da China provavelmente será maior do que o impacto chinês.”

Harris disse que o choque nas cadeias de fornecedores é mais profundo e mais amplo do que as guerras comerciais dos últimos dois anos e, provavelmente, será mais prolongado do que tempestades, terremotos ou inundações que foram fonte de estresse para as principais indústrias no passado. Ele estima que as paralisações das fábricas durem até maio e, possivelmente, além disso.

Para piorar, o choque inicial de oferta coincidiu com a crise de demanda na Europa, EUA e em outras grandes economias, devido às quarentenas que obrigam consumidores a ficar em casa.

Fornecedores da Apple

A Apple, por exemplo, agora enfrenta o impacto da paralisação de fabricantes de componentes na Itália, Alemanha, Malásia e Coreia do Sul depois de ter resistido à desaceleração em fevereiro nas fábricas chinesas que fazem a montagem final de produtos como iPhones e AirPods.

Na Malásia, fornecedores-chave como Murata Manufacturing, Renesas Electronics e Ibiden interromperam a produção como resultado de restrições de mobilidade impostas pelo governo. A Micron Technology também é afetada, mas disse que uma isenção permite que “operações limitadas de semicondutores continuem”. A Texas Instruments e a On Semiconductor também possuem fábricas no país.

O estado de emergência do Peru e o bloqueio nacional levaram grandes empresas de mineração como Freeport-McMoRan e Newmont a reduzirem a produção de cobre no país. O mesmo acontece em outros centros de mineração como Chile, Canadá e Mongólia. Economistas do Scotiabank dizem que resultado inicial do impacto no Chile e no Peru levará à redução de 325 mil toneladas de produção de cobre, ou cerca de 1,7% da produção anual global.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também