Brasil gera 328,5 mil vagas de emprego formal em fevereiro

Oferta de empréstimos poderá beneficiar 4,5 milhões de trabalhadores, entre pessoas físicas e jurídicas
Setor de serviços lidera geração de emprego (Gabriel Ramos/Getty Images)
Setor de serviços lidera geração de emprego (Gabriel Ramos/Getty Images)
Por Agência O GloboPublicado em 29/03/2022 10:14 | Última atualização em 29/03/2022 10:29Tempo de Leitura: 2 min de leitura

O Brasil criou 328.507 vagas de emprego com carteira assinada em fevereiro de 2022. Os números são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), que reúne o total de admissões e desligamentos mensalmente, e foram divulgados pelo Ministério do Trabalho nesta terça-feira.

Esse número é resultado de 2.013.143 admissões e de 1.684.636 desligamentos. O salário médio de admissão é de R$ 1.878,66, valor 3,15% menor do que o registrado em janeiro deste ano, uma diminuição de R$ 61,14.

Assine a EXAME por menos de R$ 0,37/dia e acesse as notícias mais importantes do Brasil em tempo real.

O resultado vem na esteira do número positivo registrado em janeiro, com 155,1 mil vagas criadas. No acumulado do primeiro bimestre de 2022, com ajustes, o resultado é de novos 478.862 empregos, fruto de 3.818.888 admissões e de 3.340.026 desligamentos.

Ao longo de 2021,todos os meses registraram saldo positivo na geração de vagas com carteira assinada, com exceção de dezembro, mês em que tradicionalmente há mais desligamentos.

No mês de fevereiro do ano passado, o saldo foi de 396 mil vagas criadas. O volume decriação de empregos formais não fica abaixo das 200 mil vagas mensais desde abril de 2021.

Setor de serviços lidera geração de emprego

Os dados do Caged apontam que em fevereiro houve saldo positivo na geração de vagas nos cinco grandes grupos de atividades pesquisados. O destaque, mais uma vez, foi para o setor de Serviços, que criou 215.421 novos postos de trabalho, principalmente em atividades de administração pública, defesa e seguridade social, educação, saúde humana e serviços sociais.

A indústria foi responsável pela criação de 43 mil vagas e o setor de construção registrou saldo de 39.453 postos. Na sequência aparecem os setores de agricultura, com 17.415 novos empregos, e comércio, com 13.129 postos.

Dos 27 estados brasileiros, apenas dois tiveram saldo negativo no Caged de fevereiro: Alagoas registrou fechamento de 600 postos de trabalho e a Paraíba de 1.451.

Os demais estados tiveram saldo positivo, com destaque para São Paulo (98.262 vagas), Minas Gerais (36.677 postos) e Paraná (28.506 vagas).