Associação pede que UE impulsione acordos com Brasil

Gambardella, presidente da EUBrasil opinou que Brasil precisa se abrir a mais mercados para impulsionar um modelo de crescimento mais competitivo

Bruxela .- A associação EUBrasil, que apoia o desenvolvimento das relações econômicas entre Brasil e União Europeia, pediu nesta quinta-feira que a UE impulsione acordos bilaterais paralelamente à negociação de um acordo de associação entre o bloco europeu e o Mercosul, mas sem prejudicá-la.

A organização enviou uma carta ao vice-presidente da Comissão Europeia (CE) e titular de Indústria, Antonio Tajani, na qual propôs várias recomendações pensando na visita oficial que o italiano fará ao Brasil nos próximos dias 10 e 11.

O presidente de EUBrasil, Luigi Gambardella, considera na carta que essa viagem será uma "grande oportunidade para reforçar a cooperação e coordenar atividades conjuntas" entre as duas partes.

Entre outros aspectos, destacou que o Brasil, da mesma forma que a UE, "realiza reformas para romper com a estagnação de sua economia" e inicia "programas de competitividade", especialmente na área das infraestruturas.

"A UE deveria impulsionar uma política para atrair e facilitar o investimento brasileiro na Europa", comentou.

Gambardella ressaltou a perspectiva de que não será possível chegar "em um futuro imediato" a um acordo entre UE e Mercosul, já que as negociações seguem "agarradas desde 2004".

Ele também opinou que o Brasil precisa se abrir a mais mercados para impulsionar um modelo de crescimento mais competitivo, assim como abrir mais seu próprio mercado.


Por isso, para tentar "desbloquear" essa situação, a organização sugeriu que UE e Brasil negociem vários acordos bilaterais sobre diversos assuntos "não comerciais", como normas, padrões, investimentos, tributação, facilidades para os negócios, e barreiras técnicas não tarifárias.

"Isto pode ser feito sem colocar em perigo o Mercosul", ressaltou Gambardella.

Na sua opinião, essa situação facilitaria as conversas bilaterais, enquanto o Mercosul "se manteria como um guarda-chuva de negociação" sob o qual cada país membro poderia conseguir compromissos "mais lentos" ou "mais rápidos" para liberalizar seu comércio.

O vice-presidente lembrou que situação semelhante já aconteceu entre a Comunidade Andina de Nações (CAN) e a UE, que optou finalmente por avançar na negociação de um tratado de livre-comércio com os países que se mostraram dispostos a isso, caso de Colômbia e Peru.

"A economia brasileira está em uma encruzilhada. Também está a europeia. Uma relação mais profunda entre os parceiros poderia promover um êxito crucial", acrescentou.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.