Alívio da dívida por bancos privados pode variar em plano do G20

Estrutura é a segunda fase de uma iniciativa ue visa evitar uma crise da dívida de países em desenvolvimento devastados pelo impacto econômico da pandemia

O alívio da dívida oferecido por credores privados para os países mais pobres do mundo sob um plano de reestruturação do G-20 dependerá da situação de cada nação e talvez não necessariamente reduza a quantia devida, de acordo com o presidente do Clube de Paris.

Emmanuel Moulin, ministro de Economia e Finanças da França, disse em entrevista na quarta-feira que países devedores que participam do chamado marco comum do G-20 também precisam contar com o impacto nos bancos privados. “Exceções muito limitadas e específicas” poderiam ser acordadas caso a caso, disse.

O Clube de Paris, um tradicional grupo de 22 credores de governos ocidentais, em sua maioria ricos, está coordenando o plano do G-20. Um pedido surpresa de ajuda da Etiópia no mês passado preocupou investidores, que poderiam ser arrastados para uma onda de reestruturação da dívida na África após uma década de endividamento desenfreado.

O tratamento da dívida será adaptado à situação do país. Um tratamento da dívida sob o marco comum exigirá que credores privados façam um esforço pelo menos tão importante quanto o oferecido por credores bilaterais oficiais. Mas não implica necessariamente uma redução em termos de valor presente líquido; também pode haver um reperfilamento.

Emmanuel Moulin, ministro de Economia e Finanças da França

A estrutura é a segunda fase da Iniciativa de Suspensão do Serviço da Dívida do G-20, que visa evitar uma crise da dívida de países em desenvolvimento devastados pelo impacto econômico devido à pandemia de coronavírus. O Chade e a Zâmbia também solicitaram a adesão ao acordo, que está aberto a mais de 70 países pobres.

Com poucos recursos para combater a pandemia, mais países africanos devem buscar reestruturar as dívidas sob o plano, disse Vera Songwe, secretária executiva da Comissão Econômica das Nações Unidas para a África.

China

O marco do G-20 visa trazer todos os participantes a bordo, incluindo bancos chineses e instituições privadas, que agora são os maiores credores do mundo em desenvolvimento. Bons resultados podem abrir caminho para que a China entre formalmente no Clube de Paris, pois o país asiático se tornou o maior credor oficial. A China é atualmente apenas um membro temporário.

“A longo prazo, o marco comum pode ser a antecâmara da adesão da China ao Clube de Paris como membro pleno”, disse Moulin.

Para aliviar ainda mais a pressão sobre os países pobres, Moulin disse que a França visa garantir um aumento dos recursos do Fundo Monetário Internacional nas reuniões da primavera. O novo governo dos EUA deu impulso aos planos de emissão para US$ 500 bilhões em seus ativos de reserva, chamados de direitos especiais de saque, ou SDRs na sigla em inglês.

No ano passado, o governo Donald Trump bloqueou tal medida, criticando o plano de não ter como alvo países pobres. Os EUA são o maior acionista do FMI e têm direito de veto sobre qualquer aumento.

“Vários países na Europa e fora dela são a favor de uma nova alocação de SDRs, então vamos trabalhar duro para que isso aconteça, quanto mais cedo melhor”, disse Moulin.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.