Pesquisa acaba com mito sobre a formação do Stonehenge

Misteriosa obra de pedra ainda intriga pesquisadores

São Paulo – Arqueólogos da Universidade de Leicester, no Reino Unido, acabaram com um mito sobre a formação rochosa Stonehenge, criada em algum momento por volta do ano 3000 antes de Cristo.

Em 1923, o geólogo Herbert Henry Thomas constatou que as pedras foram trazidas pelo mar da Mynydd Preseli até Bristol, onde está até hoje, por meio do mar, pela costa de Welsh. Essa foi a versão aceita por anos a fio.

Por análise de datação de radiocarbono, as primeiras pedras azuis (bluestones, em inglês) pesquisadores sabem que elas são de um período entre 2400 e 2200 antes de Cristo. Com novas técnicas de análise e microscopia de transmissão e reflexo de luz, os pesquisadores da Universidade de Leicester concluíram que a análise de Thomas era baseada em evidências pobres e que as pedras, na verdade, vieram de Craig-Rhos-y-felin e Carn Goedog.

Como essas pedras foram parar a 160 quilômetros de distância ainda é algo que intriga a comunidade científica. Arqueologistas creem que elas foram transportadas por humanos, ainda que seja considerada a hipótese de que o transporte tenha ocorrido por obra da natureza ao longo dos anos.

A pesquisa foi publicada no jornal Antiquity.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.