• AALR3 R$ 20,15 -0.74
  • AAPL34 R$ 67,35 -0.01
  • ABCB4 R$ 16,54 -0.66
  • ABEV3 R$ 14,00 -0.92
  • AERI3 R$ 3,57 -1.11
  • AESB3 R$ 10,86 2.26
  • AGRO3 R$ 30,93 -0.58
  • ALPA4 R$ 21,43 2.88
  • ALSO3 R$ 19,02 0.05
  • ALUP11 R$ 27,10 -0.77
  • AMAR3 R$ 2,52 5.00
  • AMBP3 R$ 31,00 2.31
  • AMER3 R$ 21,89 -4.33
  • AMZO34 R$ 65,21 2.26
  • ANIM3 R$ 5,47 2.05
  • ARZZ3 R$ 79,20 -0.75
  • ASAI3 R$ 15,65 -1.57
  • AZUL4 R$ 20,07 -3.00
  • B3SA3 R$ 11,89 -1.08
  • BBAS3 R$ 37,43 -0.98
  • AALR3 R$ 20,15 -0.74
  • AAPL34 R$ 67,35 -0.01
  • ABCB4 R$ 16,54 -0.66
  • ABEV3 R$ 14,00 -0.92
  • AERI3 R$ 3,57 -1.11
  • AESB3 R$ 10,86 2.26
  • AGRO3 R$ 30,93 -0.58
  • ALPA4 R$ 21,43 2.88
  • ALSO3 R$ 19,02 0.05
  • ALUP11 R$ 27,10 -0.77
  • AMAR3 R$ 2,52 5.00
  • AMBP3 R$ 31,00 2.31
  • AMER3 R$ 21,89 -4.33
  • AMZO34 R$ 65,21 2.26
  • ANIM3 R$ 5,47 2.05
  • ARZZ3 R$ 79,20 -0.75
  • ASAI3 R$ 15,65 -1.57
  • AZUL4 R$ 20,07 -3.00
  • B3SA3 R$ 11,89 -1.08
  • BBAS3 R$ 37,43 -0.98
Abra sua conta no BTG

Mulher com doença rara volta a andar após implante eletrônico

Aparelho já foi usado em três pacientes paraplégicos, que também voltaram a andar
 (Reprodução/EPFL/Jimmy Ravier)
(Reprodução/EPFL/Jimmy Ravier)
Por Laura PanciniPublicado em 13/04/2022 13:37 | Última atualização em 13/04/2022 13:39Tempo de Leitura: 2 min de leitura

Uma mulher conseguiu voltar a andar após a inserção de um implante eletrônico na coluna. Os resultados foram divulgados em um estudo na revista científica New England Journal of Medicine.

A paciente sofre de uma doença neurodegenerativa debilitante com sintomas semelhantes ao do Parkinson, chamada de atrofia de múltiplos sistemas - tipo parkinsoniano (MSA-P), que afetaram sua capacidade de levantar.

A doença leva a danos aos nervos do corpo e problemas para regular a pressão arterial, dentre outros sintomas. O último acabou afetando a capacidade da paciente de levantar por 18 meses, até a equipe de pesquisadores, de diferentes hospitais da Suíça, implantarem o dispositivo.

Inicialmente idealizado para tratar dor crônica, o dispositivo é feito por eletrodos e um gerador de impulsos elétricos que age diretamente na medula espinhal.

Outros três pacientes (homens de 29, 32 e 41 anos) também já tiveram sucesso com o dispositivo. Todos ficaram paraplégicos após acidentes de moto e conseguiram andar, nadar e andar de bicicleta usando o aparelho, que pode ser controlado por um tablet sensível ao toque.

Agora, a paciente está em fisioterapia para aprimorar sua capacidade de andar. Os resultados são extremamente positivos e trazem esperança para o tratamento de doenças neurodegenerativas, que até o momento não têm cura.

Quais são os maiores desafios da ciência? Descubra ao assinar a EXAME: menos de R$ 11/mês.