Acompanhe:

Mesmo sem anticorpos, sistema imune pode prevenir reinfecção por covid-19

Descoberta feita por cientistas suecos e publicada na revista científica Cell.com aponta a presença de células T em diversos casos de covid-19

Modo escuro

Continua após a publicidade
Coronavírus: doença já deixou mais de 21 milhões de infectados no mundo todo (Radoslav Zilinsky/Getty Images)

Coronavírus: doença já deixou mais de 21 milhões de infectados no mundo todo (Radoslav Zilinsky/Getty Images)

T
Tamires Vitorio

Publicado em 17 de agosto de 2020 às, 08h53.

Última atualização em 17 de agosto de 2020 às, 12h18.

Uma nova pesquisa sobre a resposta do sistema imune em relação ao novo coronavírus aponta que, mesmo sem a produção de anticorpos contra o vírus, um indivíduo pode produzir células capazes de destruir a doença em casos de reinfecção. São os chamados linfócitos T --- células reativas que ajudam o organismo na defesa de infecções.

O estudo encontrou linfócitos T "robustos" em casos de pessoas que tiveram quadros leves, graves ou assintomáticos da covid-19. Segundo os pesquisadores suecos, a memória das células do corpo humano são prováveis de "desenvolver uma proteção imune duradoura ao vírus", mesmo quando as pessoas não produzem anticorpos contra a doença. Para chegar a essa conclusão, foram analisados os casos e amostras sanguíneas de 206 moradores da Suécia.

Os linfócitos foram encontrados também em familiares dos doentes que foram expostos (67%), em algum momento, ao SARS-CoV-2. "Nossos dados nos mostram que a doença é capaz de fazer com que o corpo se lembre de uma memória da célula T de forma bem robusta, abrangente e funcional, o que sugere que a exposição natural ou infecção pode, sim, prevenir episódios recorrentes de quadros graves da covid-19", diz o estudo.

A maior frequência de linfócitos T foi encontrada em casos convalescentes, ou seja, em 100% daqueles que tiveram quadros graves da doença. A célula foi encontrada em 87% dos casos leves.

Os resultados do estudo também trazem uma nova perspectiva acerca da pandemia. De quem doou sangue em 2019 no país escandinavo, 28% também desenvolveram a célula reativa. A porcentagem sobe para quem doou sangue durarante a pandemia e chega a 46%.

Desde o início da pandemia, que começou a assolar outros lugares fora da China em janeiro, cientistas e pesquisadores têm tentado encontrar uma solução para a doença. Já são 21.706.031 infectados globalmente e mais de 775 mil mortes. O Brasil, segundo país com mais casos, tem 3.340.197 doentes e cerca de 107 mil óbitos, segundo o monitoramento em tempo real da universidade americana Johns Hopkins.

De acordo com o relatório da Organização Mundial da Saúde (OMS) do dia 13 de agosto, 29 vacinas estão em fase de testes e outras 138 estão em desenvolvimento.

Outros tratamentos têm sido testados, como o de anticorpos. Recentemente pesquisadores da Universidade de Columbia, nos Estados Unidos, descobriram novos anticorpos capazes de neutralizar a covid-19.

Quanto tempo dura a imunidade ao coronavírus?

Um estudo divulgado neste mês pela Universidade King’s College, de Londres, indicou que os níveis de anticorpos contra o coronavírus chegam ao pico três semanas após o início dos sintomas. No entanto, a contagem de anticorpos diminui rapidamente nas semanas seguintes.

Outra pesquisa, feita com base em um vírus semelhante por pesquisadores de Singapura, informa que a proteção contra o vírus podem ser “lembrada” por anos pelo organismo humano. Um tipo de células do sistema imunológico, as células T, ainda estão ativas contra o vírus Sars (também da família coronavírus) 17 anos depois da infecção.

Mesmo com o avanço das pesquisas, o tempo de duração da imunidade contra o novo coronavírus permanece um mistério e apenas mais estudos sobre o tema poderão revelar por quanto tempo o corpo humano pode ficar protegido de novas infecções.

Últimas Notícias

Ver mais
Telescópio James Webb pode ter descoberto mistério de supernova de 1987
Ciência

Telescópio James Webb pode ter descoberto mistério de supernova de 1987

Há 17 horas

Qual é a origem da Lua? Agência espacial do Japão diz ter pistas
Ciência

Qual é a origem da Lua? Agência espacial do Japão diz ter pistas

Há 21 horas

Empresa dos EUA consegue levar sonda à superfície da Lua após 52 anos
Ciência

Empresa dos EUA consegue levar sonda à superfície da Lua após 52 anos

Há um dia

12 anos da missão Juno: veja imagens impressionantes de Júpiter capturadas pela Nasa
Ciência

12 anos da missão Juno: veja imagens impressionantes de Júpiter capturadas pela Nasa

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais