Estudo: aquecimento global está prejudicando o sono de humanos

Cientistas da Universidade de Copenhague, na Dinamarca, acreditam que o aquecimento global vai afetar, principalmente, o sono de quem mora em países emergentes
Noite bem dormida: adultos precisam de 7 horas de sono para atingir o descanso pleno (g-stockstudio/Thinkstock)
Noite bem dormida: adultos precisam de 7 horas de sono para atingir o descanso pleno (g-stockstudio/Thinkstock)
Por Da redaçãoPublicado em 27/05/2022 10:03 | Última atualização em 27/05/2022 10:03Tempo de Leitura: 1 min de leitura

Se as temperaturas continuarem aumentando, como prevê a maioria dos pesquisadores que estudam as mudanças climáticas, há indícios de que as noites de sono dos seres humanos não serão mais tão tranquilas.

A preocupante constatação surge de um estudo feito por cientistas da Universidade de Copenhague, na Dinamarca, que concluíram que, em noites muito quentes, acima de 30°C, a duração do sono diminui cerca de 14 minutos.

Em temperaturas de 25°C, que ocorrem em algumas regiões do Brasil, o efeito gerado é um ligeiro aumento da probabilidade da pessoa dormir menos de 7 horas -- considere que abaixo disso não é suficiente para um adulto descansar.

Os cientistas chegaram aos dados após analisar o registro de sono em smartwatches de mais de 47 mil adultos, de 68 países. As informações foram cruzadas com dados meteorológicos globais. O estudo completo foi publicado na revista One Earth.

A descoberta também lança luz sobre as questões de desigualdade no acesso a tecnologias que controlem a temperaturas em casa, como o ar condicionado.