Esqueletos de animais queimados no Pantanal vão para Museu Nacional

Parceria de biólogos com o museu é antiga e, durante a tragédia pantaneira, pesquisadores ajudaram nos trabalhos de mitigação
Onça-pintada no Pantanal (foto de arquivo): ossadas de reserva serão doadas ao Museu Nacional (Mauro Pimentel/AFP)
Onça-pintada no Pantanal (foto de arquivo): ossadas de reserva serão doadas ao Museu Nacional (Mauro Pimentel/AFP)
Por Agência O GloboPublicado em 22/12/2021 08:30 | Última atualização em 22/12/2021 08:30Tempo de Leitura: 4 min de leitura

Esqueletos de animais que morreram nas queimadas ocorridas no Pantanal no ano passado irão recompor parte do acervo do Museu Nacional, que pegou fogo em 2018. A doação foi feita pela Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) Sesc Pantanal, que teve 93% de sua área incendiada, com a morte de centenas de animais.

O museu, por sua vez, perdeu mais de 400 espécies de mamíferos de diferentes regiões do mundo destinadas à exposição quando pegou fogo em 2018, alguns com mais de um século.

Por enquanto, são cerca de 200 ossadas doadas. A bióloga Cristina Cuiabália, gerente de Pesquisa e Meio Ambiente do Polo Socioambiental Sesc Pantanal, afirma que a parceria com o museu é antiga e, durante a tragédia pantaneira, os pesquisadores da instituição ajudaram nos trabalhos de mitigação. Desde setembro de 2020 é feito o diagnóstico do impacto causado à fauna da reserva.

"Houve duas tragédias e sem a conexão delas a sociedade jamais teria acesso a informações. Nunca vamos esquecê-las", afirma o biólogo Luiz Flamarion, que estuda o Pantanal desde 1999 e é pesquisador pelo Museu Nacional.

Em setembro de 2020, ainda durante as queimadas, mais de 30 pesquisadores do Museu Nacional começaram uma varredura na reserva, com registro e coleta de carcaças de animais mortos, como queixadas, jacarés e macacos-prego.

Só destas três espécies, mais de 20 mil indivíduos morreram. O estudo de propagação do incêndio, segundo Cristina, mostrou que a propagação do fogo dentro da reserva foi seis vezes mais lenta do que nas áreas externas, onde as queimadas foram iniciadas.

O trabalho dos brigadistas retardou o incêndio em algumas partes, dando mais chance para a fuga dos animais. Foram colocados 160 cochos, abastecidos por caminhão-pipa, e distribuídas 30 toneladas de frutas e ovos para alimentar bichos sobreviventes.

Algumas imagens chocam. Flamarion conta que em algumas áreas foram achadas amontoadas carcaças de cervo e antas, misturadas: "Foram encurralados pelo fogo, queimados juntos", disse.

Pequenos animais, quando sobrevivem a situação como essa, viram alvo de gaviões. Muitos não são diretamente atingidos pelas chamas, mas não resistem ao solo superquente e à temperatura alta, expostos ao sol. A vegetação é abrigo.

Dentro da reserva não foram achadas onças-pintadas ou pardas queimadas, por exemplo. Cristina acredita que elas são mais resilientes e versáteis na fuga, pois correm, pulam e nadam.

Câmeras flagram animais

Entre os esqueletos destinados ao Museu Nacional estão tamanduás-bandeira, antas, queixadas e catitus, por exemplo. Todas as espécies de mamíferos de porte — da cotia para cima — são importantes para o museu.

A regeneração das paisagens da RPPN já começou, mas só a natureza será capaz de determinar o ritmo. Para acelerar o processo, o Sesc Pantanal fez acordo com duas comunidades, de Barão do Melgaço e Poconé, para a formação de viveiros de muda, num trabalho que é, ao mesmo tempo, social e ambiental. Muitas das espécies vegetais não são encontradas no mercado, apenas na natureza. A partir de janeiro, com a estação ainda chuvosa, começam a ser plantadas na reserva espécies como Manduvi, usadas pelas araras-azuis nos ninhos.

Flamarion ressalta que a diferença entre as duas tragédias, do museu e do Pantanal, é que, na primeira, o que foi perdido é irrecuperável; já a natureza se regenera.

"Lá (no museu) se jogou fora grande parte da história do país, mas o poder de regeneração do Pantanal é grande, embora a gente nunca vá saber com exatidão o que se perdeu para sempre."

O monitoramento vai ajudar na prevenção e, com o apoio do Instituto Chico Mendes, estão sendo feitas queimadas controladas fora do período de seca, para evitar que o fogo atinja áreas mais vulneráveis e de difícil regeneração, caso as queimadas persistam na região.

Muitos animais retornaram à reserva e já há registros deles com filhotes, como onças-pardas e pintadas. Cerca de 20 armadilhas fotográficas estão montadas, e a meta é chegar a 120 equipamentos. Ao todo, 40 mil vídeos foram feitos. Ainda há, porém, poucos registros de primatas, uma das populações mais atingidas.

"Não é triste de andar ali, não é assim. Os organismos vivos se deslocam. O impacto foi monstruoso, mas ainda tem onças, queixadas e cotias com filhotes", diz o biólogo.

O que dizem as últimas pesquisas científicas mais importantes? Descubra ao assinar a EXAME, por menos de R$ 0,37/dia.