Cientista que salvou Japão uma vez tem nova batalha contra covid-19

É de Oshitani a estratégia que envolve evitar espaços fechados, lugares com aglomerações e situações de contato próximo onde o vírus se desenvolve

Ele foi zombado a princípio por suas teorias sobre como o coronavírus se propaga, mas o mundo passou a reconhecer a eficácia da abordagem de três pilares do cientista japonês Hitoshi Oshitani para o combate à pandemia: evitar espaços fechados, lugares com aglomerações e situações de contato próximo onde o vírus se desenvolve.

É uma estratégia que ajudou o Japão a evitar milhares de mortes sem confinamento, mas que agora enfrenta o desafio de casos que aumentam rapidamente com a chegada do frio. Oshitani teme que o país possa não estar pronto.

Como fica a Bolsa com o lançamento da vacina? Veja agora a análise das melhores empresas para investir hoje. 

“A preocupação das pessoas está diminuindo”, disse Oshitani, virologista e especialista em doenças infecciosas, em entrevista à Bloomberg News. “Podemos ver um aumento repentino de casos graves e mortes.”

Oshitani se tornou um embaixador global do “Modelo do Japão” graças à sua visão presciente de como o vírus era transmitido. Enquanto a maioria dos especialistas em saúde pública se concentrava na lavagem das mãos e transmissão por superfícies e outros países debatiam o uso de máscaras, em março Oshitani já se concentrava em rastrear focos de infecções e garantir que as pessoas evitassem as três situações que favorecem o contágio.

Como resultado, o número de casos de coronavírus no Japão é uma fração do que nos Estados Unidos e em muitos países europeus, mesmo quando a vida volta ao normal. O Japão registra cerca de 124 mil casos no total e o país, que tem a população mais velha do mundo, teve menos de 2 mil mortes.

Agora o país se depara com um surto crescente e ressurgente, e os casos registraram outro recorde na quinta-feira. A capital Tóquio registrou os maiores números da pandemia por dois dias consecutivos. A ilha de Hokkaido, ao norte do país, uma das áreas mais atingidas, teve o número de casos mais alto na sexta-feira, enquanto Tóquio registrou quase um recorde de 522 casos.

No entanto, autoridades locais em todo o país começam a buscar medidas mais rigorosas para limitar o horário comercial, embora estejam limitadas, pois a constituição não fornece poder legal para impor restrições de lockdowns.

Mas Oshitani teme que possa ser mais difícil influenciar o comportamento em comparação com a primavera, quando a ameaça desconhecida da pandemia obrigou as pessoas a mudarem os hábitos. Embora muitos países enfrentem a fadiga do lockdown, a posição do Japão é extraordinariamente perigosa – sem capacidade de impor restrições, o país depende da cooperação das pessoas com medidas voluntárias.

“Não acho que esse vírus vá embora nos próximos meses, e provavelmente nos próximos anos, então temos que encontrar a melhor maneira de conviver com isso”, disse. “E é contra isso que ainda estamos lutando – encontrar a melhor maneira.”

Espera! Tem um presente especial para você.

Uma oferta exclusiva válida apenas nesta Black Friday.

Libere o acesso completo agora mesmo com desconto:

exame digital

R$ 15,90/mês

R$ 6,36/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

R$ 40,41/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.