Acompanhe:

A mais de 10 mil quilômetros de suas origens na França, uma uva com fama de "difícil" se tornou um sucesso que impulsionou o Uruguai no mapa-múndi do vinho.

Em uma terra de gaúchos e churrasco, a tannat encontrou o lar perfeito no clima temperado e úmido do país e em seus habitantes, amantes da carne.

Com mais sementes do que outras uvas, a tannat tem alto conteúdo de tanino adstringente, uma característica dominante que lhe deu nome e durante muito tempo foi considerada indesejável.

Mas acabou se revelando a bebida perfeita para acompanhar a carne bovina, símbolo da gastronomia local.

O vinho tannat "casa muito bem com a carne", explica à AFP o enólogo Eduardo Boido, da vinícola Bouza, em Montevidéu.

"Você come a carne, toma um Tannat para limpar a boca e volta a comer…", diz em meio a videiras recém-colhidas.

De rústica a renomada

Embora agora seja a uva nacional do Uruguai, a tannat é originária do sudoeste da França.

Foi trazida na década de 1870, quando o Uruguai era um país vitivinícola relativamente novo, pelo basco-francês Pascual Harriague.

"Durante muito tempo, o Tannat era conhecido como Harriague e generalmente eram vinhos um tanto rústicos", disse à AFP Nicolás Cappellini, proprietário do bar de vinhos Montevideo Wine Experience. Na década de 1980, a abordagem mudou para um vinho fino.

Hoje, o país produz grande variedade de estilos, com preços diferentes, e seus vinhos Tannat estão entre os melhores do mundo.

"Ao longo de 150 anos de elaboração do tannat, os produtores do Uruguai aprendeu a gerenciar o alto nível natural de taninos da uva", segundo o site na internet Uruguay Wine.

"O Uruguai fez da difícil variedade do Tannat uma campeã".

Quase um terço do vinho Tannat do mundo é produzido neste país de 3,5 milhões de habitantes.

Isto o situa como segundo "atrás apenas da França", com 45%, disse Kym Anderson, do Centro de Pesquisa em Economia do Vinho da Universidade de Adelaide. É seguido pela Argentina, com 15%, e pelos Estados Unidos, com 4%.

A vinícola Bouza exporta 40% do vinho que produz, mais da metade é Tannat.

"Acima de suas capacidades"

Os mais de 1,2 mil vinhedos do Uruguai, a maioria pequenos e de propriedade familiar, ficam nos paralelos 30 e 35 sul, assim como os principais produtores de Chile, Argentina, África do Sul, Nova Zelândia e Austrália.

A poucos quilômetros do Rio da Prata ou do Oceano Atlântico, a brisa marinha os refresca durante todo o ano. A umidade, disse Boido, faz com que os taninos do Tannat do Uruguai sejam "muito mais delicados".

"O que distingue o Tannat uruguaio é seu frescor, que se deve ao clima", acrescenta a Master of Wine Julia Harding, radicada em Londres.

As exportações de vinho do Uruguai são superadas pelas de carne bovina, leite e soja, "mas o país está acima de suas capacidades", escreveu o Master of Wine Tim Atkin em seu "Relatório Especial do Uruguai", em 2021.

O país exportou, em 2022, 4,8 milhões de garrafas de vinho, principalmente tinto, por US$ 18,5 milhões (aproximadamente R$ 96,51 milhões em valores da época), segundo dados do Instituto Nacional de Vitivinicultura (Inavi). O Tannat, explica a porta-voz Karina Spremolla, foi a "variedade mais exportada".

"Um pouco forte"

O Uruguai exportou 4,8 milhões de garrafas de vinho, sobretudo tinto, no valor de US$ 18,5 milhões, em 2022.

O Uruguai tinha 1.575 hectares de vinhedos Tannat em 2022, enquanto na França havia menos de 2.733 em 2019, segundo o site South West Vineyards do país.

A grande diferença está na proporção: enquanto na França a tannat representa menos de 1% da plantação total, no Uruguai é a principal, com 27%.

"No Uruguai, a uva tannat é usada majoritariamente na elaboração de vinhos monovarietais", disse à AFP Eduardo Félix, assessor técnico do Inavi.

Cappellini ressaltou que a maior parte do vinho Tannat é, "sem dúvida", para os estrangeiros desejosos de testar a variedade-símbolo.

Os uruguaios têm uma percepção do Tannat como um vinho "um pouco forte, rústico", acrescentou.

Segundo Roger Corder, pesquisador e coautor de um estudo publicado em 2006 na revista "Nature", o Tannat elaborado tradicionalmente é o "mais saudável dos vinhos".

O Tannat contém altos níveis de polifenóis, compostos com propriedades antioxidantes que se acredita que melhoram a saúde cerebral e protegem de doenças cardíacas.

O Uruguai comemora o Dia do Tannat em 14 de abril, dia em que Harriague morreu, em 1894.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
General Motors lança SUV elétrico Cadillac Lyriq na Europa em aposta no mercado de luxo
Casual

General Motors lança SUV elétrico Cadillac Lyriq na Europa em aposta no mercado de luxo

Há 7 horas

Praia, cidade ou montanha: três carros ideias para a sua próxima viagem
Casual

Praia, cidade ou montanha: três carros ideias para a sua próxima viagem

Há 8 horas

BYD lança seu carro mais caro, de R$ 1,1 milhão, para concorrer com Ferrari e Lamborghini
Casual

BYD lança seu carro mais caro, de R$ 1,1 milhão, para concorrer com Ferrari e Lamborghini

Há 9 horas

Jato brasileiro é queridinho dos milionários e o mais vendido do mundo
Casual

Jato brasileiro é queridinho dos milionários e o mais vendido do mundo

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais