Casual

Shop Ginger, marca de Marina Ruy Barbosa, terá pop-up store no JK Iguatemi

No Piso 2 do Shopping JK Iguatemi, o primeiro ponto físico da marca terá decoração inspirada em padrões e cores dos anos 1970

Fachada da pop-pp store da Shop Ginger. (Lucas Menezes/Divulgação)

Fachada da pop-pp store da Shop Ginger. (Lucas Menezes/Divulgação)

JS

Julia Storch

Publicado em 21 de outubro de 2021 às 11h08.

Última atualização em 21 de outubro de 2021 às 12h50.

Com 93 metros quadrados no shopping JK Iguatemi, Marina Ruy Barbosa inaugura no início de novembro a primeira pop-up store da Shop Ginger.

No Piso 2 do shopping, o primeiro ponto físico da marca terá decoração inspirada em padrões e cores dos anos 1970. A arquitetura trabalha o contraponto do famoso “laranja Ginger” com todas as estamparias das coleções, incluindo as formas geométricas e tons marcantes da label.

"Para nós, essa parceria traduz uma das essências da Iguatemi que é a de sempre apoiar as novas marcas e os talentos da moda brasileira”, comenta Carlos Jereissati, CEO da Iguatemi. Ainda neste semestre, a marca inicia suas vendas em 19 pontos de venda no Brasil, em cidades como Curitiba, Belo Horizonte, Salvador, Vitória e Brasília.

Em entrevista à EXAME, Marina comenta os projetos da Ginger e as expectativas sobre o primeiro ponto físico.

O que você mais gosta no trabalho diário com a marca?

Criar é a minha grande paixão, então os processos de desenvolvimento de produto, branding e marketing são os que fazem o meu coração bater mais forte. É para onde a minha cabeça vai assim que levanto da cama; são a forma que encontro de me expressar dentro do negócio. Mas deixando de lado as áreas da empresa, eu diria que todo o processo de aprendizado é uma das coisas que mais me encantam em toda a jornada. Mergulhei no mundo do empreendedorismo de cabeça — sem investidores, sem grandes empresários e mentores por trás, sem experiência; só com muita coragem e vontade de fazer acontecer. O dia a dia foi me construindo e me moldando como empresária, me ensinando “na marra”, e sou muito feliz por ter escolhido esse caminho. Ele é duro e não poupa ninguém, mas te dá grandes lições de vida. Sinto que cresci e amadureci como ser humano e isso é inestimável.

Como as outras áreas de atuação conversam com o lado empresarial?

Uma das grandes convicções que tenho na vida é de que é possível colher lições e aprendizados de todos os lados — no profissional, pessoal, emocional. A Marina empresária não é descolada da Marina atriz ou da Marina mulher. Minhas experiências e vivências transitam entre todos esses papéis e me ensinam diariamente. O meu papel de fundadora é muito pautado por quem sou como mulher; minha carreira de atriz trouxe uma visão de construção de marca para a Ginger. Tudo se mistura, se completa, se constrói mutuamente.

Quais foram os maiores desafios enfrentados pela Ginger até agora?

É seguro dizer que a Ginger já passou por vários desafios no seu primeiro ano de vida. Começo pela criação e lançamento da marca em meio à pandemia, que apresentou uma série de dificuldades em termos de logística, produção e matéria-prima. Depois, vieram as famosas “dores do crescimento” — a marca fez sucesso muito rápido, o que nos gerou uma série de dificuldades para suprir a demanda crescente. Isso também se estendeu ao longo do ano, conforme o negócio foi crescendo. Sentimos a necessidade de rever o nosso business plan para que refletisse a nova realidade e nos preparasse para passos maiores e mais ambiciosos. Passados esses desafios, sinto a Ginger mais sólida enquanto empresa e confiante na missão de ser um grande player do mercado de moda nacional.

A abertura da primeira pop-up store da Ginger está prevista para o início de novembro (Lucas Menezes/Divulgação)

Além da pop-up, pretende investir mais nos pontos de venda físicos, com novas lojas?

Abrir a primeira pop-up é um passo importante para uma marca de moda e, por enquanto, os nossos esforços estarão focados nessa operação. Será uma operação temporária, mas é momento em que esperamos colher muitos aprendizados e o objetivo é que o balanço seja positivo. Mas também é valido mencionar que temos “investido” em outros pontos de venda físicos de forma indireta: com a celebração do primeiro ano da marca, optamos por incluir a venda de nossos produtos em multimarcas como parte do nosso business plan. Já nesse segundo semestre, estamos presentes em 19 representantes selecionados em todo o Brasil.

A Ginger é nativa digital, qual é a importância do ponto de venda físico para a marca?

Enxergamos a venda física como um braço da estratégia omnichannel e do posicionamento de marca: não é fundamental para o nosso modelo de negócios, mas traz diversos benefícios inerentes apenas ao varejo tradicional. A possibilidade de gerar uma experiência de marca é a que mais nos atrai. Além de ser muito requisitada pelas nossas clientes, é uma forma de materializarmos nosso branding. Também enxergamos uma grande oportunidade de alcançar novas consumidoras (inclusive, de outras faixas etárias) que preferem outra forma de consumir — provando as peças, sentido o toque, vendo os produtos de perto. Essa será uma oportunidade para entender melhor como é ter uma operação física e também decidir aonde será o nosso ponto fixo em São Paulo. Queremos que a Ginger continue se tornando uma marca relevante e, por isso, é preciso levar em consideração as diversas maneiras de vivenciar uma marca; podemos ser e existir de muitas maneiras, desde que isso respeite a nossa essência.

Qual é a expectativa de crescimento da marca com a loja física?

A abertura da loja física, além de um marco importante na nossa história, será feita em um momento estratégico: a tempo das compras de final de ano, um momento comercial importante para todo o mercado. A volta gradual da nossa rotina também está beneficiando o varejo físico, o que nos deixa ainda mais confiantes com essa decisão. A nossa expectativa é de um aumento de 30% no faturamento nos dois últimos meses do ano. Vale ressaltar que, por ser uma marca nativa digital, o e-commerce da Ginger continua sendo o nosso principal ponto de venda — essa projeção leva em consideração a nossa estratégia.

Quais são os próximos projetos para a Ginger?

Junto com a abertura da pop-up, teremos também o lançamento da nossa próxima coleção. Chamada Riviera, esse novo drop celebra a essência de moda da Ginger de um jeito leve e divertido. Vocês vão conhecer tudo muito em breve! Não quero dar spoilers agora, mas sinto que essa coleção fará tanto sucesso quanto a Patinadora (a última lançada, que foi recorde de vendas). Estamos também avaliando algumas propostas de collabs com grandes marcas — mas conto mais para vocês no momento certo.

Serviço:

Shop Ginger Pop-Up Store. Av. Pres. Juscelino Kubitschek, 2041 — Vila Olímpia, São Paulo 
Horários: de segunda a sábado, das 10h às 22h. Domingos e feriados, das 14h às 20h. De novembro a fevereiro.

Acompanhe tudo sobre:IguatemiLojasModaRoupas

Mais de Casual

Secretos, mas nem tanto: conheça bons bares estilo speakeasy em São Paulo

O que a Hering leva para o casamento com o Grupo Azzas 2154

Trem do Pampa: novo passeio no RS oferece paisagens deslumbrantes e degustação de vinho

Mansão à beira-mar de US$ 60 milhões quer bater recorde na Flórida

Mais na Exame