Casual

Mauricio de Sousa recebe prêmio Cátedra Unesco por estímulo à leitura

Primeira revista da Turma da Mônica foi publicada nos anos 1970

Maurício de Souza: aos 19 anos, já fazia quadrinhos para jornais locais de Mogi das Cruzes, cidade da Grande São Paulo (Fabrio Rodrigues Pozzebom/Arquivo/Agência Brasil)

Maurício de Souza: aos 19 anos, já fazia quadrinhos para jornais locais de Mogi das Cruzes, cidade da Grande São Paulo (Fabrio Rodrigues Pozzebom/Arquivo/Agência Brasil)

AB

Agência Brasil

Publicado em 21 de outubro de 2022 às 19h04.

Última atualização em 21 de outubro de 2022 às 19h31.

O quadrinista Mauricio de Sousa recebeu nesta sexta feira (21) uma homenagem da cátedra Unesco de Leitura da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), em reconhecimento ao estímulo à leitura de várias gerações no país.

Para a coordenadora de Educação da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) no Brasil, Rebeca Otero, os personagens e as histórias que Maurício de Sousa criou ao longo de sua carreira contribuíram para a formação de leitores de muitas gerações.

É o caso do ilustrador Rafael Feitosa. Ele inclusive escolheu a profissão inspirado nas histórias em quadrinhos do Mauricio de Sousa que lia quando criança e hoje lê as revistinhas para sua filha Sofia.

Segurando o icônico coelho azul de pelúcia, a filha de Rafael, Sofia, de 5 anos, contou qual o personagem favorito da Turma da Mônica.

Nascido em 27 de outubro de 1935 em Santa Isabel, interior de São Paulo, Mauricio de Sousa começou cedo a carreira de ilustrador. Aos 19 anos, já fazia quadrinhos para jornais locais de Mogi das Cruzes, cidade da Grande São Paulo. Em 1959, publicou uma tirinha vertical, trazendo - pela primeira vez - como personagem o cão azul Bidu. Em 1962, criou a personagem Mônica. E, nos anos 1970, publicou a primeira revista em quadrinhos da Turma da Mônica.

Leia também:

Acompanhe tudo sobre:EducaçãoHQ – histórias em quadrinhosLiteraturaTurma da Mônica

Mais de Casual

Chablis: por que os vinhos dessa região da França caíram no gosto do brasileiro?

"A Era das revoluções", de Fareed Zakaria, explica raízes do mundo contemporâneo; leia trecho

Do campo à xícara: saiba o caminho que o café percorre até chegar a sua mesa

Com sustentabilidade e legado, sempre teremos Paris

Mais na Exame