Casual

Hipismo na Olimpíada: como os cavalos chegaram até Tóquio?

Mais de 300 cavalos foram a Tóquio para os Jogos Olímpicos. Mas como eles voam? E precisam de passaporte?

Koki Saito, do Japão, durante a prova de hipismo individual feminino nas Olimpíadas de Tóquio. (Stephen McCarthy/Getty Images)

Koki Saito, do Japão, durante a prova de hipismo individual feminino nas Olimpíadas de Tóquio. (Stephen McCarthy/Getty Images)

Mariana Martucci

Mariana Martucci

Publicado em 3 de agosto de 2021 às 17h54.

Última atualização em 4 de agosto de 2021 às 09h13.

O cavaleiro Yuri Mansur se tornou o primeiro finalista da delegação brasileira de hipismo na Olimpíada de Tóquio. O atleta, de 42 anos, se classificou na madrugada desta terça-feira, 3, à final dos saltos, que acontecerá às 7h desta quarta-feira, 4, no Parque Equestre, na capital japonesa.

Com o estado de emergência imposto pela pandemia do coronavírus, apenas grupos muito seletos conseguiram voar até Tóquio, entre eles atletas, técnicos, árbitros, jornalistas... e cavalos. Mais de 300 cavalos voaram até a capital do Japão para os Jogos Olímpicos para as provas de hipismo. Mas como um cavalo voa de um país para outro? Eles também precisam de passaportes?

Como fazer um cavalo voar

Transportar um cavalo de um país para outro pode ser feito da mesma forma que com os humanos: através de aviões. Só que, no caso dos cavalos, eles voam em espaços muito maiores do que os assentos regulares de passageiros. Dependendo de qual evento equestre o cavalo vai competir, ele pode chegar a pesar entre 500 kg e 600 kg (cavalos de eventos esportivos são os mais leves, enquanto os cavalos de adestramento são mais pesados).

Estábulo móvel dentro do espaço de cargas de um avião com destino a Tóquio (FEI/Leanjo de Koster/Divulgação)

Para Tóquio, os cavalos foram embarcados em estábulos móveis, que foram levados até os porões de grandes aviões de carga. Estes estábulos são equipados com feno e água. Além disso, os animais são acompanhados por veterinários e acompanhantes, inclusive. Durante a viagem, os animais não sofrem sedação, apenas em situações onde o cavalo fica estressado e passa por uma sedação de nível leve.

De acordo com a Federation Equestre Internationale (FEI), o órgão internacional que comanda o esporte equestre, os Jogos de Tóquio contam com 247 cavalos, que foram transportados em 20 viagens até a capital japonesa. Curiosidade: a empresa responsável pelo transporte é a mesma desde a Olimpíada de Roma, em 1960.

O primeiro voo transportou 36 cavalos em um Boeing 777-F SkyCargo da Emirates, que saiu da Europa com destino a Tóquio. Os animais — que juntos pesavam cerca de 22 toneladas — foram representar nações como Dinamarca, Alemanha, Grã-Bretanha, Holanda, Japão, Brasil e Marrocos. E, ao contrário dos passageiros de duas pernas, os cavalos não só recebem suas refeições durante a viagem (incluindo pedidos de refeições especiais, é claro) como também podem lanchar durante todo o percurso — e quando não estão tirando uma soneca.

Além disso, o avião transportou cerca de 13,5 toneladas de equipamentos para cavalos e 12 toneladas de ração (excluindo refeições e lanches de bordo), além de 40 litros de água por animal. A temperatura interna do avião fica entre 14 ºC e 17 ºC, para que os cavalos fiquem confortáveis e eviem possíveis problemas de saúde.

Os cavalos têm passaportes?

Um passaporte de um cavalo olímpico durante o embarque para os Jogos de Tóquio (FEI/Leanjo de Koster/Divulgação)

Sim. Um passaporte de cavalo tem uma página de identificação contendo detalhes corporais e onde o cavalo nasceu. A grande diferença entre os passaportes humanos e os de cavalos é que no documento existem informações sobre as vacinas que foram tomadas pelos animais, como as de gripe e antitetânica.

A página de vacinação deve estar atualizada antes mesmo que o cavalo seja autorizdo a deixar o país. Esta etapa é extremamente importante para o controle de doenças entre os animais, visto que muitos deles viajam de diferentes países e podem transmitir doenças que não existem em outros lugares.

Para a viagem até Tóquio, os animais cumpriram uma quarentena de sete dias para então receberem um certificado sanitário autorizando o embarque. Além disso, nos 60 dias que antecederam a Olimpíada, os animais só podiam estar sediados nos seguintes países: Argentina, Austrália, Bielo-Rússia, Canadá, Chile, Japão, Arábia Saudita, Nova Zelândia, Noruega, Qatar, Singapura, Suíça, Emirados Árabes Unidos, Reino Unido, Estados Unidos da América e todos os países-membros da União Europeia (UE).

Cavalos em estábulos móveis durante um voo entre Berlim e Tóquio (FEI/Leanjo de Koster/Divulgação)

Quarentena em 1956

Os Jogos Olímpicos de 1956, em Melbourne, Austrália, foram os primeiros realizados no Hemisfério Sul e tiveram uma peculiaridade: pela primeira vez na história, uma modalidade esportiva não foi disputada no país anfitrião. As provas foram realizadas em Estocolmo, na Suécia, cinco meses antes do início dos Jogos devido às severas leis de quarentena da Austrália, que acabariam atrasando a autorização da entrada de cavalos estrangeiros.

O que é adestramento, salto e equitação?

O hipismo é único por vários motivos. Não é apenas o único evento olímpico que envolve cavalos, mas também o único em que homens e mulheres não competem separadamente. Os eventos equestres envolvem três modalidades distintas: adestramento, equitação e salto.

O adestramento é artístico. Envolve o cavaleiro fazendo o animal se mover por meio de comandos sutis. Existe uma rodada obrigatória em que todos os movimentos são pré-estabelecidos. Depois, há a rodada de estilo livre em que o cavaleiro e o cavalo perfomam ao som de uma música.

O salto é o mais conhecido. O cavaleiro e o cavalo são cronometrados ao longo de um percurso em que os cavalos têm de saltar obstáculos que podem incluir corrimãos paralelos, barras triplas, saltos aquáticos e paredes de pedra. As penalidades de tempo podem ser aplicadas se o cavalo e o cavaleiro não ultrapassarem o obstáculo ou se deixarem de pular. Vence o cavalo e cavaleiro que terminar o percurso mais rápido e com o menor número de penalidades.

A equitação envolve três eventos nesta ordem: adestramento, cross-country e salto. Acontece ao longo de vários dias. Como o golfe, o objetivo aqui é obter a pontuação mais baixa. O elemento cross-country apresenta cavalos que correm a 32 km/h em um percurso com vários obstáculos, incluindo cercas, além de saltos aquáticos. As medalhas individuais e por equipe serão concedidas em todas as três modalidades equestres.

yt thumbnail

Quer receber as atualizações dos Jogos Olímpicos de Tóquio? Assine a newsletter de Casual

Acompanhe tudo sobre:AnimaisOlimpíada 2021OlimpíadasTóquio

Mais de Casual

Como é provar o vinho italiano eleito o melhor do mundo

Arraial no Alto do chef Onildo Rocha tem vista panorâmica para o centro de São Paulo

Esta vinícola de SP liderou uma revolução na produção de vinho e já vê a próxima grande virada

Oficina Reserva apresenta camisa que se mantém esticada através da temperatura do corpo

Mais na Exame