Festival de música na Áustria pode servir de exemplo global

A Áustria, que teve um pico de 1.000 casos por dia em março, agora reduziu a taxa de infecção, com casos diários na casa da dezena
Festivais de música: na Áustria, exemplos para o restante do mundo (Foto/AFP)
Festivais de música: na Áustria, exemplos para o restante do mundo (Foto/AFP)
J
James Tarmy, da Bloomberg

Publicado em 21/07/2020 às 07:00.

Última atualização em 21/07/2020 às 10:55.

Quando os casos de Covid-19 começaram a aumentar no mundo todo no início de março, organizações culturais cancelaram os planos de verão.

Mas organizadores do Festival de Salzburgo, uma das plataformas de verão mais prestigiadas do mundo para música clássica, ópera e teatro na Áustria, aguardava o tempo certo. “Decidimos esperar e desenvolvemos uma série de cenários de como [ainda] fazê-lo”, diz Lukas Crepaz, diretor-executivo do festival. “Estávamos pensando talvez em um único evento para comemorar nosso aniversário de 100 anos - não ousávamos esperar que pudéssemos apresentar quatro semanas de programação.”

Outros festivais continuaram a cancelar programas. O Festival Verbier na Suíça foi cancelado, assim como o prestigiado Festival de Ojai, na Califórnia. Salzburgo cancelou seu festival Whitsun em meados de abril, mesmo mantendo os planos de verão.

O governo austríaco continuou a flexibilizar as restrições. Permitiu em junho a reunião de 100 pessoas, depois 250 em julho e até 500, mesmo mil, em agosto, dependendo do local. Os diretores de Salzburgo anunciaram que apresentariam um programa mais curto, com 90 apresentações em 30 dias. A Áustria, que teve um pico de mil casos por dia em março, agora reduziu a taxa de infecção: apenas 12 pessoas em todo o país testaram positivo para o vírus na terça-feira, segundo relatório da Organização Mundial da Saúde.

Agora, quando o festival começa os ensaios, seus preparativos podem servir de modelo para outras organizações de artes cênicas em todo o mundo.

“Desenvolvemos conceitos de prevenção muito abrangentes, porque queremos estabelecer um padrão que possa ser adotado por outros festivais e concertos depois”, afirma Crepaz. “Estamos em contato com muitas instituições austríacas e europeias, que obviamente estão observando como lidamos com esta situação.”