Casual
Acompanhe:

Estrela olímpica do Quênia, recordista mundial é encontrada morta em casa

Agnes Jebet Tirop, de 25 anos, ficou em quarto lugar nos 5.000 m nos Jogos de Tóquio e é detentora do recorde mundial nos 10.000 m

A Federação de Atletismo do Quênia emitiu uma nota confirmando a morte de Tirop (Alexander Hassenstein/Getty Images)

A Federação de Atletismo do Quênia emitiu uma nota confirmando a morte de Tirop (Alexander Hassenstein/Getty Images)

A
Agência O Globo

13 de outubro de 2021, 10h47

A corredora queniana Agnes Jebet Tirop, de 25 anos, atual recordista mundial dos 10 mil metros, foi encontrada morta com uma facada no abdômen nesta quarta-feira em sua casa na cidade de Iten, no Quênia.

Tirop foi achada já sem vida por vizinhos após eles perceberem uma discussão na noite de ontem. O principal suspeito do crime é seu marido, um policial que está desaparecido.

  • Fique por dentro das principais notícias do Brasil e do mundo. Assine a EXAME

A Federação de Atletismo do Quênia emitiu uma nota confirmando a morte de Tirop e diz apura as circunstâncias do caso. A entidade afirmou que o país perdeu "uma joia" e "uma das gigantes em ascensão mais rápida".

"Esta tarde, ficamos muito preocupados ao saber sobre a morte prematura da medalhista de bronze mundial dos 10.000 metros, Agnes Jebet Tirop. Tirop foi encontrada morta em sua casa em Iten depois que ela foi supostamente esfaqueada pelo marido. Ainda estamos trabalhando para descobrir mais detalhes sobre sua morte", disse a entidade. "O Quênia perdeu uma joia que era uma das gigantes do atletismo em ascensão mais rápida no cenário internacional, graças a suas atuações atraentes na pista", afirmou.

Além de ser recordista mundial nos 10 mil metros, Tirop foi a medalhista de bronze mundial dos 5.000 m de 2019. A atleta terminou em quarto lugar na prova dos 5.000m nos Jogos Olímpicos de Tóquio. Ela também ganhou o campeonato de cross country sênior de 2015, no qual fez história ao ser a segunda mais jovem a subir ao pódio na modalidade da competição.

A queniana quebrou o recorde mundial de 10.000 m em 12 de setembro de 2021. A atleta registrou um tempo de 30:01 para reduzir 28 segundos do recorde anterior da prova feminina, conquistado por Asmae Leghzaoui, de Marrocos, em 2002.